Leia também:
X Pfizer pede à Anvisa inclusão de 3ª dose para maiores de 12 anos

Criança morre após contrair “ameba comedora de cérebro”

Vítima foi infectada em fonte recreativa nos EUA

Thamirys Andrade - 29/09/2021 10h36 | atualizado em 29/09/2021 11h04

fonte texas
Fonte no parque público no Texas foi isolada Foto: Reprodução / Redes Sociais

Autoridades do Texas, nos Estados Unidos, confirmaram nesta segunda-feira (27) a morte de uma criança que contraiu uma “ameba comedora de cérebro”, em uma fonte aquática recreativa no condado de Airlington.

A vítima foi internada no dia 5 de setembro, diagnosticada com meningoencefalite amebiana primária, e morreu no dia 11. Para preservá-la, informações sobre a sua identidade não foram divulgadas.

A rara infecção contraída pela criança é causada por uma ameba chamada Naegleria fowleri, que costuma ser encontrada no solo, em água doce quente, em piscinas mal conservadas ou sem cloro. O organismo se infiltra quando a água contaminada tem contato com o nariz da vítima. A ameba sobe pelo canal nasal e alcança o cérebro, destruindo o tecido do órgão.

Após cinco dias da contaminação, o paciente pode sentir dor de cabeça, febre, náuseas e vômitos. A doença avança rapidamente e costuma causar a morte depois de 18 dias, segundo informações do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

O departamento de saúde da cidade foi acionado pelo hospital e instaurou uma investigação para determinar onde a criança foi exposta à ameba. Os testes apontaram a presença da ameba Naegleria fowleri na fonte do Don Misenheimer Park, em Arlington. O ponto recreativo em questão foi fechado e, por precaução, outras três fontes públicas também foram isoladas até o fim do ano.

Para o CDC, a criança foi provavelmente exposta à ameba ao brincar com os respingos de água no parque.

– Isso parte meu coração. Sou pai de quatro filhos, avô de cinco crianças de 2 a 7 anos. Não consigo imaginar ter que enterrar uma criança assim – lamentou o prefeito de Arlington, Jim Ross, à KTVT.

As investigações indicaram lacunas nos padrões de manutenção do parque. Os funcionários não realizavam o teste de água diariamente, ao abrir a instalação, e não verificavam a concentração de cloro, usado como desinfetante na água.

Em dois dos três dias em que a criança foi ao parque, entre agosto e setembro, as leituras de cloração não foram registradas.

Os casos de infecção por Naegleria fowleri são raros. De 2010 a 2019, 34 contaminações foram registradas, sendo 30 delas em fontes recreativas.

Leia também1 Pesquisadores criam vacina em adesivo mais eficaz que injeção
2 Presidente da Gol: Funcionário que não se vacinar será demitido
3 Vaticano cortará salário por ausência de certificado sanitário
4 Drauzio Varella: “A epidemia não acabou e nem vai acabar”
5 Deputados de SP devem votar a criação da CPI da Prevent Senior

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.