Leia também:
X União Europeia inclui aborto na lista de “direitos humanos”

Covid: 1° caso pode ter ocorrido na China em outubro de 2019

Estudo da Universidade de Kent utilizou métodos da ciência de conservação para estimar a data de origem do vírus

Thamirys Andrade - 25/06/2021 16h09 | atualizado em 25/06/2021 16h12

Pesquisadores recuperaram dados de sequenciamento excluídos pela China Foto: EFE/EPA/STR/Archivo

Um novo estudo sobre as origens da Covid-19 apontou que o vírus pode ter começado a se disseminar na China em outubro de 2019, dois meses antes de o primeiro caso ser confirmado na cidade de Wuhan. A pesquisa foi publicada na revista PLOS Pathogens nesta quinta-feira (24), e realizada por pesquisadores da Universidade de Kent da Grã-Bretanha.

O artigo, que ainda precisa passar por revisão de pares científicos, realizou métodos da ciência da conservação para estimar a data da origem do novo coronavírus. Para tal, foram recuperados dados de sequenciamento excluídos dos primeiros casos da Covid-19 na China.

A análise indicou que as amostras do mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, “não eram representativas” do SARS-CoV-2, mas sim uma variante progenitora que circulava anteriormente em outras partes do país chinês. O estudo concluiu que a primeira infecção pode ter ocorrido entre o início de outubro e meados de novembro de 2019, mais provavelmente em 17 de novembro.

À Reuters, o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos confirmou que as amostras usadas na pesquisa foram submetidas ao Sequence Read Archive (SRA) em março de 2020 e depois retiradas a pedido de cientistas chineses, que alegaram que o material seria atualizado e posteriormente encaminhado a outra base de dados.

Para os críticos, a exclusão dos dados é mais uma evidência de que a China tentou encobrir as origens do vírus.

– Por que os cientistas pediriam aos bancos de dados internacionais que excluíssem dados importantes que nos informam sobre como a Covid-19 começou em Wuhan? Essa é a pergunta que vocês podem responder por si mesmos – declarou a pesquisadora do Broad Institute de Harvard, Alina Chan, no Twitter.

Leia também1 OMS: Variante Delta se espalha entre populações vacinadas
2 AstraZeneca e Sputnik reduzem mortes em 80% com uma dose
3 Sintomas da Covid mudaram após variantes, alerta estudo
4 Brasil recebe 1º lote de vacinas doadas pelos Estados Unidos
5 Com avanço de variante, Sydney entra em fase 'preocupante'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.