Leia também:
X Biden desiste de manter cota de refugiados adotada por Trump

Colômbia: Ministro renuncia após 19 mortes em protestos

Manifestações ocorreram contra uma proposta de reforma tributária

Pleno.News - 03/05/2021 21h54 | atualizado em 03/05/2021 21h55

Protestos na Colômbia deixaram 19 mortos Foto: EFE/ Ernesto Guzmán Jr

O ministro da Fazenda da Colômbia, Alberto Carrasquilla, renunciou nesta segunda-feira (3), um dia depois de o presidente Iván Duque pedir a retirada do polêmico projeto de lei de reforma tributária apresentando ao Congresso. A apresentação do projeto desencadeou uma série de violentos protestos nas ruas que deixaram ao menos 19 mortos.

– Minha continuidade no governo dificultaria a construção rápida e eficiente dos consensos necessários para levar adiante outro projeto de reforma – afirmou Carrasquilla, em sua carta de renúncia a Duque.

A violência que se seguiu a cinco dias de protestos maciços contra a polêmica reforma tributária na Colômbia deixou também ao menos 800 feridos, enquanto as mobilizações continuavam nesta segunda-feira.

Segundo balanço da Defensoria do Povo (ombudsman), 18 civis e 1 policial morreram nas manifestações que começaram no dia 28 de abril em todo o país. Mais cedo, o balanço era de 17 mortos. Já o ministério da Defesa contabilizou 846 feridos, dos quais 306 civis.

Ministro da Fazenda da Colômbia, Alberto Carrasquilla Foto: EFE/ Ángeles Rodenas

O ministro da Defesa, Diego Molano, garantiu que os atos de violência foram “premeditados, organizados e financiados por grupos dissidentes das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)” que se afastaram do acordo de paz assinado em 2016, e pelo ELN (Exército de Libertação Nacional), a última guerrilha reconhecida na Colômbia.

As autoridades prenderam 431 pessoas durante as dispersões e o governo ordenou o envio de militares para as cidades mais afetadas. ONGs e a oposição acusam a polícia de atirar em civis

Pressionado pelas manifestações nas ruas, o presidente Duque ordenou no domingo a retirada da proposta que era debatida com ceticismo no Congresso, onde um amplo setor a rejeitava por punir a classe média e ser inadequada em meio à crise desencadeada pela pandemia de coronavírus.

O presidente propôs a elaboração de um novo projeto que descarta os principais pontos de discórdia: o aumento do ICMS sobre serviços e mercadorias e a ampliação da base de contribuintes com imposto de renda.

Manifestantes protestaram contra uma proposta de reforma tributária Foto: EFE/ Ernesto Guzmán Jr

*Estadão

Leia também1 Presidente da Colômbia anuncia uso do Exército 'contra protestos'
2 PSOL quer investigar Eduardo B. por declaração sobre El Salvador
3 Datena critica Guedes: 'Não sei por que o Bolsonaro o mantém'
4 Impeachment: Lira diz não ser obrigado a acelerar análise
5 Governo Bolsonaro não tolera corrupção, diz Marcelo Queiroga

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.