Leia também:
X Austrália junta-se aos EUA no boicote aos Jogos de Pequim

Cientistas descobrem versão da Ômicron que ‘se esconde’ do PCR

Nova linhagem da variante foi identificada em passageiro australiano que viajou para a África do Sul

Thamirys Andrade - 08/12/2021 11h29 | atualizado em 08/12/2021 12h04

teste de covid-19 pcr cotonete
Teste PCR é considerado “padrão ouro” dos testes de Covid-19 Foto: Mufid Majnun | Unsplash

Autoridades de saúde da Austrália identificaram uma nova linhagem da variante Ômicron em um passageiro que chegou de viagem à África do Sul. Com cerca de metade das variações genéticas da Ômicron original, a nova versão não pode ser detectada com testes típicos, como o PCR, informou o chefe de Saúde de Queensland, Peter Aitken.

Segundo Aitken, a nova cepa tem semelhanças suficientes para poder ser classificada como Ômicron, mas não se sabe o que as mudanças significam no quesito de gravidade clínica e eficácia da vacina.

– Agora temos a variante Ômicron e uma cepa semelhante à Ômicron – explicou Aitken.

A nova versão tem 14 das mutações em relação à cepa convencional, mas não possui um recurso no gene S, o que faz com que ela se torne mais difícil de ser rastreada. Devido à dificuldade na identificação, é possível que a nova Ômicron esteja presente em mais locais do que se sabe até o momento.

Para os cientistas, o surgimento pode representar um revés na tentativa de compreender o impacto que a Ômicron pode causar. A fim de diferenciar a descoberta, os pesquisadores dividiram a B.1.1.529 (Ômicron) em BA.1 e BA.2., sendo que a segunda categoria representa a nova versão.

O estado de Queensland já possui mais de 80% de sua população vacinada e abrirá, na próxima segunda-feira (13), as fronteiras com o restante do país.

Leia também1 Pfizer afirma que três doses de sua vacina neutralizam Ômicron
2 Governo adota quarentena de 5 dias a viajantes não vacinados
3 Campeão de vacinação, Portugal entra em estado de calamidade
4 Sinovac vai criar "2ª versão" da CoronaVac contra a Ômicron
5 OMS: Vacinação obrigatória deve ser "último recurso absoluto"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.