Leia também:
X Macron exige de Putin um cessar-fogo em conflito

Chile realiza seus primeiros casamentos entre homossexuais

País legalizou união entre pessoas do mesmo sexo em dezembro de 2021

Thamirys Andrade - 10/03/2022 11h40 | atualizado em 10/03/2022 12h04

Bandeira LGBTQIA+ Foto: Pexels/Markus Spiske

O Chile realizou, nesta quinta-feira (10), os primeiros casamentos entre pessoas do mesmo sexo em sua história. No escritório do registro civil no bairro Providencia, em Santiago, ao menos dois casais oficializaram a união, em cerimônia com convidados, representantes de algumas plataformas e ativistas.

Em 8 de dezembro, o país deu sinal verde ao projeto de lei que legalizou os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Desde 2015, elas só podiam se unir legalmente por meio do chamado Acordo de União Civil (AUC), que não reconhece direitos filiativos.

Com essa decisão, o Chile tornou-se o oitavo país da América Latina a reconhecer o casamento gay, depois de Costa Rica, Equador, Argentina, Brasil, Colômbia, Uruguai e vários estados do México.

O projeto de lei foi apresentado em 2017 por solicitação da ex-presidente socialista Michelle Bachelet (2014-2018). No entanto, ficou paralisado por quase quatro anos no Parlamento.

Em uma virada nos acontecimentos, o presidente Sebastián Piñera afirmou, no ano passado, que “havia chegado a hora” de o trâmite avançar e instruiu o Parlamento a discuti-lo com urgência.

Em menos de seis meses e, apesar da resistência dos setores mais conservadores da política local, os legisladores aprovaram a iniciativa.

*Com informações da EFE

Leia também1 Macron exige de Putin um cessar-fogo em conflito
2 Putin está disposto a se reunir com Zelensky, diz chanceler
3 EUA fazem alerta para uso de armas químicas pela Rússia
4 EUA dizem à Polônia que não apoiam envio de aviões à Ucrânia
5 Zelensky alerta para 'milhões de mortos' sem apoio internacional

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.