Leia também:
X EUA exigem que Uganda não ratifique lei antiLGBTQ

Infecção por fungo perigoso triplicou nos EUA, diz estudo

Artigo escrito por pesquisadores do CDC foi publicado na segunda-feira

Pleno.News - 22/03/2023 15h20 | atualizado em 22/03/2023 16h24

EUA: Casos de infecção por fungo perigoso triplicaram em três anos, diz estudo (Imagem ilustrativa) Foto: Pexels

Casos de infecção por um fungo perigoso triplicaram em apenas três anos nos Estados Unidos, e mais da metade dos estados já registraram confirmação, de acordo com um novo estudo.

A pandemia da Covid-19 provavelmente impulsionou parte do aumento, escreveram pesquisadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), no artigo publicado, na segunda-feira (20), pela Annals of Internal Medicine. Funcionários de unidades de saúde ficaram sobrecarregados com os pacientes com coronavírus, e isso provavelmente desviou o foco da desinfecção de alguns outros tipos de germes, segundo os pesquisadores.

O fungo Candida auris é uma forma de levedura que geralmente não é prejudicial para pessoas saudáveis, mas pode representar risco mortal para pacientes frágeis de hospitais e lares de longa permanência. Ele se espalha facilmente e pode infectar feridas, ouvidos e a corrente sanguínea. Algumas cepas são as chamadas superbactérias, que são resistentes a todas as três classes de antibióticos usados para tratar infecções fúngicas.

A infecção foi identificada pela primeira vez no Japão, em 2009, e tem sido vista em cada vez mais países. O primeiro caso dos Estados Unidos ocorreu em 2013, mas não foi relatado até 2016. Naquele ano, autoridades de saúde notificaram 53 casos.

O novo estudo descobriu que os registros continuaram a aumentar, subindo para 476 em 2019, para 756 em 2020, e, depois, para 1.471 em 2021. Os médicos também detectaram o fungo na pele de milhares de outros pacientes, com risco de transmissão para outros.

Muitos dos primeiros casos dos Estados Unidos foram “importados” do exterior, mas agora a maioria das infecções se espalhou dentro do próprio país, observaram os pesquisadores.

*AE

Leia também1 EUA exigem que Uganda não ratifique lei antiLGBTQ
2 Uganda aprova lei que torna crime identificação como LGBT
3 Macron diz confiar que a reforma da previdência entrará em vigor este ano
4 Xi firma 14 acordos com Putin, em meio a pressão dos EUA
5 Estudo: Limpar nariz com o dedo aumenta risco de Alzheimer

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.