Leia também:
X Rio-Paris: França julgará Airbus e Air France por queda de avião

Bolívia é o 1º país a pedir quebra de patentes de vacinas na OMC

Objetivo é permitir que a produção de vacinas não se limite às empresas farmacêuticas

Pleno.News - 13/05/2021 09h38 | atualizado em 13/05/2021 09h47

OMC discute quebrar patentes de vacinas contra Covid-19 Foto: Reprodução

A Bolívia apresentou à Organização Mundial do Comércio (OMC) um pedido de liberação de patentes que lhe permitiria importar 15 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 da Johnson & Johnson, segundo informou a entidade nesta quinta-feira (13).

Na notificação que chegou ao organismo multilateral, o governo boliviano invoca uma alteração de 2017 ao Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio (TRIPS), que abre o caminho legal à importação de medicamentos, vacinas e outros produtos farmacêuticos a preços acessíveis.

No último mês de fevereiro, a Bolívia já tinha notificado à OMC sua intenção de fazer uso desta flexibilidade legal.

Agora, o governo boliviano especificou sua vontade de importar especificamente a vacina da Janssen (Johnson & Johnson), a única de apenas uma dose das cinco vacinas aprovadas, por meio do mecanismo de utilização de emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A OMC tem sido palco durante sete meses de conversas infrutíferas entre países sobre uma proposta conjunta da Índia e da África do Sul de suspender temporariamente, e em uma base limitada, as patentes que protegem as vacinas, apelando precisamente à emenda que a Bolívia decidiu utilizar, tornando-se assim o primeiro país a fazê-lo.

O objetivo é permitir que a produção de vacinas não se limite às empresas farmacêuticas que as desenvolveram e que detêm as patentes que protegem seus direitos de propriedade intelectual, o que impede que outros países com capacidade de produção se juntem a este esforço para atender à demanda global.

A OMC confirmou que a iniciativa da Bolívia abre a possibilidade de importar vacinas a qualquer dos 50 Estados-membros da OMC que tenha legislação nacional que regule a produção e exportação de medicamentos em uma situação de suspensão de patentes.

Vários países que são sede de grandes farmácias opuseram-se às suspensões de patentes nas discussões da OMC, bloqueando qualquer possibilidade de progresso.

No entanto, o recente anúncio do governo dos Estados Unidos de que é a favor de uma suspensão de patentes nesta situação de emergência sanitária sugere que a questão poderá ser objeto de negociações mais intensas na OMC, nas próximas semanas.

*EFE

Leia também1 Vacinados contra a Covid-19 no Brasil chegam a 37,2 milhões
2 Covid-19: Pfizer diz que vacina é mais eficaz em adolescentes
3 CoronaVac: Doria pede liberação de insumos a embaixador chinês
4 Painel da OMS orienta criação de fundo para "futuras pandemias"
5 São Paulo anuncia retomada na vacinação de grávidas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.