Leia também:
X Obama limita comentários após “cobranças” sobre Afeganistão

Auxiliar de enfermagem matava pacientes com injeções letais

Reta Mays observava suas vítimas morrerem após aplicar doses fatais de insulina

Thamirys Andrade - 17/08/2021 16h46 | atualizado em 17/08/2021 21h08

auxiliar-de-enfermagem-aplicava-injecoes-letais-e-observava-atentamente-a-morte-de-suas-vitimas-600x400
Mays prestou serviços de enfermagem nas guerras do Afeganistão e Iraque Foto: Reprodução

A auxiliar de enfermagem Reta Mays era conhecida por seus vizinhos como uma pessoa simpática, caridosa e frequentadora assídua da igreja. O que não se sabia, porém, é que a profissional de saúde era fascinada por serial killers e usava o seu trabalho em um hospital de veteranos de guerra para matar pacientes com injeções letais.

De acordo com informações do jornal The Mirror, Mays vitimou ao menos 20 pessoas durante o seus turnos, que iam das 19h30 às 8h. O “anjo da morte” as observava morrer após aplicações de doses fatais de insulina. Todos os pacientes serviram no Exército, na Marinha ou na Força Aérea e tinham entre 81 e 96 anos de idade.

O caso foi descoberto após funcionários do hospital notarem que os casos de hipoglicemia aumentaram em uma das alas. Foram 20 mortes entre 2017 e 2018, todas registrados na ala 3A, onde Mays trabalhava. Em contraste, nos quatro anos anteriores, apenas um óbito por hipoglicemia havia sido relatado. Após os corpos serem exumados, constatou-se que as vítimas possuíam marcas de agulhas inexplicáveis nos corpos.

Mays foi levada a interrogatório, e as autoridades concluíram que a assassina em série se aproveitava de uma falha no sistema do hospital que controlava a leitura de glicose. A auxiliar de enfermagem misturava doses letais de insulina no soro fisiológico intravenoso.

Posteriormente, foi identificado ainda que a profissional da saúde pesquisava sobre mulheres serial killers e enfermeiras que matavam seus pacientes.

Das 20 mortes, Mays confessou apenas sete. Ela alega querer conceder uma morte “digna e suave” aos pacientes que estavam sofrendo. Mays foi condenada a uma prisão perpétua para cada uma de suas vítimas e a 20 anos por agressão, sem chance de liberdade condicional.

Atualmente, a polícia segue investigando outros óbitos suspeitos que podem ter sido causados por Mays.

Leia também1 "Tudo em vão", diz veterano que perdeu as pernas no Afeganistão
2 Vídeos chocantes mostram talibãs em bate-bate e academia
3 Comovente! Foto de avião saindo do Afeganistão impressiona
4 Após terremoto, ciclone tropical Grace atinge o Haiti
5 CEO da Fórmula 1 é morta em casa pelo marido após traição

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.