Leia também:
X Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da CoronaVac

Argentina prorroga restrições por Covid-19 até novembro

Nesta semana, país atingiu um milhão de casos de coronavírus

Pleno.News - 23/10/2020 19h09

Presidente da Argentina, Alberto Fernández Foto: EFE/Christphe Petit Tesson

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, prorrogou até 8 de novembro diversas restrições de mobilidade em províncias do país, de modo a frear a pandemia de Covid-19 por um período de 14 dias.

Fernández, em entrevista coletiva na província de Misiones, destacou que o governo decidiu “concentrar o esforço” em uma série de províncias que representam “55% das infecções que o país tem”, além da Área Metropolitana de Buenos Aires, formada pela capital e seu amplo perímetro urbano, onde tem havido uma diminuição sustentada de casos nas últimas semanas.

Nesta semana, a Argentina atingiu um milhão de casos de coronavírus e é o quinto país do mundo com mais infecções, com 1.053.650 casos positivos confirmados até o momento.

Devido à situação preocupante, cidades em até 16 jurisdições administrativas argentinas estarão sob a modalidade de Isolamento Social Preventivo e Obrigatório.

O presidente se referiu às províncias de Santa Fé, Córdoba, San Luis, Mendoza, Neuquén, Rio Negro e Tucumán, ao falar de quais partes do país são as mais preocupantes.

– Sentimos que estamos nos estabilizando em um patamar de 15 mil casos por dia – enfatizou o presidente.

Ele advertiu que “o vírus está longe de desaparecer”.

Para Fernández, o ressurgimento que está sendo visto na Europa é uma forte evidência” de que a crise sanitária ainda está ativa.

O presidente destacou que na Argentina “há lugares específicos em todas as províncias” onde “o nível de saturação” do sistema hospitalar está próximo, mencionando Neuquén, General Roca (Rio Negro), Rio Cuarto e Villa María (Córdoba), Mendoza e sua área metropolitana.

Outras oito províncias permanecerão em um nível de restrições menos rigoroso, chamado “Distanciamento Social, Preventivo e Obrigatório”. Esse sistema pede para que os maiores de 65 anos “tentem ficar o máximo de tempo possível em casa” e que o resto da população aumentem os cuidados.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Pompeo diz que russos apoiam atividades cibernéticas malignas
2 Donald Trump anuncia acordo entre Sudão e Israel
3 França veta pedido de médico para uso da hidroxicloroquina
4 Brasil se alia aos EUA em acordo contra o aborto e pela família
5 OMS diz que compra de vacina é assunto de "soberania nacional"

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.