Leia também:
X Você tem 100 mil reais?

Twitter chama símbolo Estrela de Davi de “imagem de ódio”

Rede social bloqueou contas que usavam a imagem como foto de perfil

Paulo Moura - 24/07/2020 08h10 | atualizado em 24/07/2020 08h29

Estrela de Davi foi classificada pelo Twitter como imagem de ódio Foto: Pixabay

Usuários do Twitter relataram que suas contas foram bloqueadas após usarem o símbolo do judaísmo, Estrela de Davi, como imagem de perfil. Na alegação da rede social, a imagem, que também consta na bandeira de Israel, seria um “símbolo de ódio”.

– Determinamos que esta conta violou as Regras do Twitter. Especificamente para: violar nossas regras contra a publicação de imagens odiosas. Você não pode usar imagens ou símbolos odiosos na imagem ou no cabeçalho do perfil. Como resultado , bloqueamos sua conta – diz o texto enviado aos perfis bloqueados.

Twitter é acusado de antissemitismo Foto: Reprodução

Entre as contas bloqueadas, as imagens de perfil variavam entre a estrela sob algumas montagens simples ou apenas o símbolo. Após a ação, usuários iniciaram uma campanha acusando a rede de praticar antissemitismo, outros aproveitaram também para trocar suas fotos pela Estrela de Davi.

Após a repercussão, o Twitter emitiu uma nota em seu perfil oficial afirmando que não considerava o símbolo como uma imagem de ódio, mas que tomou a decisão por conta do uso negativo do item contra o público judeu da plataforma.

– Por algum tempo, vimos o símbolo ‘estrela amarela’ ou ‘emblema amarelo’ sendo usado por aqueles que buscam atingir o povo judeu – relatou a rede social.

Leia também1 Rádio Trans Mundial inova e transmite curso de Teologia
2 Associação Sionista emite nota em defesa de Yamaguchi
3 Michelle Nascimento: "A pandemia não veio me parar"
4 Gafanhotos varreram o Egito em Os Dez Mandamentos
5 Israel cria máscara que mata vírus com calor do celular

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.