Leia também:
X “Coronavírus não é castigo de Deus”, diz padre Manzotti

Mães se unem em oração pelos filhos umas das outras

Ministérios incentivam mulheres a orarem diariamente pelos jovens

Camille Dornelles - 07/05/2020 18h50 | atualizado em 18/05/2020 10h02

Mães Unidas em Oração, durante encontro de pequeno grupo antes da pandemia Foto: Reprodução

Ser mãe exige da mulher determinação, força física, resiliência, paciência e sabedoria. É uma missão física e emocional, mas também espiritual. Focando neste último aspecto, grupos passaram a surgir com o intuito de fortalecer a espiritualidade das mães.

Um deles é o Ministério Mães Unidas em Oração Internacional, presente em 154 países e, no Brasil, onde existe desde 1994, em todos os estados e Distrito Federal, com mais de 200 mil mães como participantes.

O ministério é coordenado por Jane Esther Monteiro de Souza de Paula Rosa, que conversou com o Pleno.News.

Como o Ministério une as mães?
Pelo altíssimo viés de zelar pelo bem-estar dos filhos, netos e bisnetos desde a vida intrauterina até o final da existência, passando pela vida doméstica, estudantil, profissional, afetiva, ética, moral e, principalmente, espiritual. Tudo pautado por valores cristãos, tendo a Bíblia Sagrada como guia.

Qual a importância dele para as mães e filhos da igreja?
Através da oração conjunta, em concordância, baseada em de Mateus 18:18-29 em PGOS – Pequenos Grupos de Oração de, no máximo quatro mães (biológicas/coração ou espiritual), blindar os filhos, netos e bisnetos com uma rede espiritual que lhe dê condições de passar por todas as fases e estágios da vida, longe de comportamentos nocivos e visceralmente comprometidos com tudo que contribua para o bem-estar pessoal, familiar, profissional, social e espiritualmente falando.

Neste momento de pandemia e distanciamento, a oração ajuda a aproximar as famílias?
Com certeza! Através das videochamadas, das mídias digitais, as mães estão unidas em oração, compartilhando suas dores e testemunhos de vitórias. De maneira inusitada, a pandemia, sobre ser uma coisa extremamente maléfica, trouxe substrato e muitos efeitos benéficos. Entre eles ensejar a vida em família, a alocação de tempo para atividades e tarefas no lar, ou a partir, dele, a interação entre pais e filhos, entre irmãos, parentes, tudo a nível presencial e virtual, cumprindo, assim, o que encontramos em Romanos 8:28: “e sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”

Pequenos grupos se reúnem virtualmente para orar pelos filhos Foto: Reprodução

Qual você acredita ser o diferencial da mãe que ora?
Ela mesma é a primeira beneficiada por fortalecer-se espiritualmente, através de hábitos, disciplina e prática do estudo bíblico e oração individual e coletiva. Somada a isso está a construção de relacionamentos interpessoais sólidos e comunhão profunda com outras mães que lhe permite cuidar dos seus filhos, netos e bisnetos de maneira abençoadora para a própria família, da igreja local da qual faz parte, da sociedade em que está inserida e dos interesses do Reino de Deus na terra.

Para Jane, que tem grande amor pelo ministério, é enorme a importância da vida espiritual dentro da maternidade e do apoio entre mães. E o Mães Unidas em Oração não é a única iniciativa presente no Brasil.

Jane Esther, coordenadora do ministério no Brasil Foto: Reprodução

O Mães Unidas em Oração Internacional comemora o Jubileu de Prata no próximo dia 1º, no Rio de Janeiro.

DESPERTA DÉBORA
O movimento Desperta Débora, vinculado ao Mocidade para Cristo (MPC), reúne 100 mil mães pelo país. O ministério também é conhecido como Mães de Joelhos, Filhos em Pé, e é coordenado pela terapeuta ocupacional Hélida Paixão e suas representantes regionais.

Desperta Débora é um ministério que une mães em oração Foto: Reprodução

Ao portal, a carioca Cleide França fala sobre a iniciativa, que ajudou a manter em uma das igrejas no Rio de Janeiro.

– É um ministério maravilhoso que aproxima as mães e os jovens da igreja. Nos tornamos mais próximos, mais família, e os filhos das colegas da igreja acabam se tornando nossos filhos espirituais também – conta.

Ela afirmou ainda que incentivar pessoas da igreja a orarem parece fácil, mas na prática exige muita determinação. “É um aprendizado de fé”, disse.

– O Desperta Débora desafia mães a investirem um tempo diário de oração por ao menos 15 minutos, em busca de uma Geração Comprometida com Deus, com a Sua palavra e com a obra missionária, a começar por seus filhos. As chamadas “Déboras” oram individualmente, nos lares, nas igrejas, em encontros e congressos – explicam as coordenadoras.

O objetivo é pedir que Deus incentive os jovens ao campo missionário e à aproximação com Deus. As integrantes estão presentes em vários países pelo mundo e, segundo a coordenadora, “o sol não se põe mais sobre o Desperta Débora”, pois há sempre uma mãe orando em algum lugar.

Leia também1 A noiva que não mede esforços para agradar ao noivo
2 Bruna Karla doa cestas básicas arrecadadas durante live
3 Mães empreendedoras se ajudam para superar crise

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.