Leia também:
X Para Mourão, liberação de cultos tem que ser “discutida a fundo”

Gilmar Mendes decide proibir missas e cultos em São Paulo

Com a decisão, o ministro enviou caso para análise pelo Plenário da Suprema Corte

Paulo Moura - 05/04/2021 14h03 | atualizado em 05/04/2021 15h09

Ministro Gilmar Mendes levanta polêmica em entrevista
Ministro Gilmar Mendes, do STF Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou nesta segunda-feira (5) o pedido liminar para suspender o decreto do governo de São Paulo que proibiu celebrações religiosas no estado por conta do aumento dos números de casos e mortes pela Covid-19. Com a decisão ministro enviou o caso ao plenário da Corte.

A decisão é contrária ao entendimento do ministro Nunes Marques que determinou no sábado (3), em caráter liminar, que governadores e prefeitos não podiam proibir a celebração de atos religiosos desde que preservados protocolos sanitários, entre eles lotação máxima de 25 % da capacidade do local.

Como as decisões são conflitantes entre si, caberá ao plenário do Supremo dar a palavra final sobre a liberação, ou não, dos cultos e missas. Segundo a jornalista Andreia Sadi, da TV Globo, o presidente do STF, ministro Luiz Fux, marcou o julgamento para esta quarta-feira (7).

O pedido de liminar foi feito pelo PSD em uma ação em que o partido questionava o decreto do governo de São Paulo, que instituiu medidas emergenciais destinadas ao enfrentamento da pandemia, entre elas a proibição de cultos, missas e outras atividades religiosas com presença de público no estado.

Leia também1 Para Mourão, liberação de cultos tem que ser "discutida a fundo"
2 'A imprensa, de um modo geral, odeia a religião', diz Malafaia
3 Twitter remove vídeo de Roberto Jefferson de 'kit anti-satanás'
4 Kalil 'cede' aos cultos e missas presenciais, mas recorre ao STF
5 Marco Aurélio critica liberação de cultos e diz: 'Reze-se em casa'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.