Leia também:
X Bolsonaro: ‘Pandemia é, em parte, usada para derrubar o presidente’

‘Cristãos não matam pela fé, mas estão dispostos a morrer por ela’

André Mendonça defendeu a reabertura de templos religiosos

Pierre Borges - 07/04/2021 18h42 | atualizado em 07/04/2021 19h59

Advogado-geral da União, André Mendonça Foto: PR/Isac Nóbrega

Nesta quarta-feira (7), durante a sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) que julga a reabertura de templos religiosos durante a pandemia de Covid-19, o advogado-geral da União, André Mendonça discursou em defesa da liberdade religiosa e disse que os verdadeiros cristãos não matam, mas estão dispostos a morrer pela fé.

– Os verdadeiros cristãos não estão dispostos jamais a matar por sua fé, mas estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto – declarou o advogado-geral da União no fim do seu discurso.

Para Mendonça, a proibição de culto é institucional e abusiva, assim como o toque de recolher, que ele diz ser incompatível com o Estado democrático.

-Toque de recolher não é medida de prevenção; é medida de repressão – argumentou.

Mendonça também alertou para os casos de suicídio e disse que “o pobre brasileiro não pode pagar um psicólogo; então, ele procura um padre” e que “as atividades religiosas trazem esperança”.

Próximo ao término do discurso, Mendonça ainda assinalou que proibir os cultos seria o mesmo que proibir o cristianismo.

– Não há cristianismo sem vida comunitária. Não há cristianismo sem a casa de Deus. Não há cristianismo sem o dia do Senhor – declarou.

Leia também1 Bolsonaro: 'Pandemia é, em parte, usada para derrubar o presidente'
2 'Vamos revogar completamente a LSN', diz deputada
3 Câmara aprova ampliação da compra de vacinas por empresas
4 Fux rebate advogado que citou trecho da Bíblia no STF
5 Bia Kicis lança campanha para aprovar voto impresso no Brasil

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.