Leia também:
X Igreja brasileira levanta clamor por cristãos perseguidos

Cristão perseguido tem pena de morte anulada no Irã após orar

Testemunho de Taher foi contado pela organização Portas Abertas

Mayara Macedo - 27/05/2021 11h49 | atualizado em 27/05/2021 12h34

Taher e sua família Foto: Portas Abertas

A organização Portas Abertas contou a história de um cristão chamado Taher, que teve sua sentença de morte anulada após clamar a Deus. Taher é do Irã, país majoritariamente islâmico, e acabou sendo preso por seguir Jesus.

– Deixar o islamismo para seguir Jesus no Irã é se tornar inimigo do governo e ser considerado uma ameaça à segurança nacional. Por isso, enquanto as pessoas estão vivendo no território, elas serão monitoradas e, se insistirem em congregar com outros cristãos e compartilhar a Palavra, ficarão presas – disse a organização.

Taher teve sua casa invadida e, enquanto esteve detido, foi interrogado e intimado a entregar o nome de outras pessoas que seguiam Jesus. Contudo, o homem se manteve firme e não “entregou” nenhum irmão em Cristo.

– Quando eu cheguei em casa, vi quatro homens (da polícia secreta). Eles me algemaram. Bem ali, naquele momento, eu senti Jesus ao meu lado – relata o iraniano.

Taher foi julgado em tribunal e acusado de apostasia, ou seja, de abandonar a fé islâmica. A sentença que recebeu foi a pena de morte. No entanto, Taher e sua família não perderam a fé e passaram a orar pela autoridades.

– Durante meu julgamento, o juiz pediu para eu escrever algo. E eu escrevi: Deus é amor – relatou Taher.

E então, no decorrer da análise, a resposta de oração veio. Taher contou que o juiz disse que não sabia o motivo, mas daria a ele a tão esperada liberdade.

Taher e família decidiram se mudar do Irã e partiram para outro país.

– Eu daria muito mais por Jesus. Vale muito a pena – declarou Taher.

*Taher é um nome fictício para preservar a identidade do cristão e de sua família.

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.