Leia também:
X Felipe Heiderich volta a pregar depois de ser inocentado

Com ofertas, igreja paga dívidas de famílias carentes

Iniciativa partiu de igreja da Flórida, nos EUA

Ana Luiza Menezes - 15/07/2019 18h02

Igreja Batista Stetson, na Flórida Foto: Reprodução

Nos Estados Unidos, a Igreja Batista Stetson, na Flórida, quitará mais de 7,2 milhões (equivalente a R$ 26,9 milhões) de dívidas médicas de indivíduos e famílias carentes. Mais de 6.500 pessoas, de cinco cidades, serão beneficiadas com a ajuda.

Durante 53 cultos, foram recolhidas ofertas para essa causa. A coleta começou em julho do ano passado e teve fim no mês de junho deste ano.

Inicialmente, a proposta era conseguir 48 mil dólares (R$ 180 mil) para a organização RIP Medical Debt, que compra e elimina dívidas médicas por meio de doações. Outra metade seria para ajudar orfanatos batistas da Flórida que, graças à mobilização, terão um ano de ajuda financeira garantida.

A congregação, que conta com cerca de mil membros, conseguiu ultrapassar a meta. O montante levantado serviu não apenas para acabar com as dívidas de pessoas do condado de Volusia, mas também para os vizinhos Flagler, Lake, Putnam e Marion.

– O povo de Deus realmente foi muito generoso e derramou seus corações. No ministério de Jesus na Terra, foi o que Ele fez. Ele ajudou as pessoas. E, para nós, sermos as mãos e os pés de Jesus significa que precisamos usar os recursos que Deus nos deu, tanto individual como coletivamente, para fazer uma diferença prática na vida das pessoas – disse o pastor, Dan Glenn, ao site The Christian Post.

O religioso defendeu ainda que os cristãos devem demonstrar a todos, de maneira prática, que Deus ama a todas as pessoas.

Leia também1 Felipe Heiderich volta a pregar depois de ser inocentado
2 Padre Marcelo Rossi é jogado de palco durante evento
3 Pastores Cristian e Danielle Cristina se mudam para SP

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.