Leia também:
X “Não há peso maior que o da culpa pelos seus pecados”

Atentado em igreja evangélica deixa mortos na África

Autoria do ataque ainda não foi revelada

Jade Nunes - 29/04/2019 14h08 | atualizado em 29/04/2019 14h26

Igreja sofreu atentado (Imagem ilustrativa) Foto: Pixabay

Pelo menos seis pessoas morreram em um ataque realizado por um grupo de homens armados contra uma igreja na cidade de Silgadji, no norte de Burkina Fasso, na África Ocidental, informaram fontes de segurança nesta segunda-feira (29).

A ação, realizada no domingo, aconteceu pouco depois da celebração dominical da manhã, quando indivíduos armados invadiram a igreja evangélica e abriram fogo contra as pessoas. O pastor e cinco fiéis morreram, de acordo o portal local Infowakat.

Embora o ataque ainda não tenha sido reivindicado, a consultoria de riscos Menastream afirmou que os responsáveis podem ser militantes do Grupo de Apoio ao Islã e aos muçulmanos ou do Estado Islâmico no Grande Saara, dois grupos que operam na região.

Essa é a primeira vez que uma igreja é atacada em Burkina Fasso, desde que os ataques jihadistas começaram a ser realizados no país, no início de 2015.

Em 17 de março, o padre de Fada N’Gourma, cidade da região leste, foi sequestrado depois de uma missa realizada em Bottogui, no norte, e foi achado morto em 27 de abril, em um povoado de Essakane, a 180 quilômetros de onde foi levado.

Nos últimos dias foram registrados vários ataques, que também poderiam ter relação com o crescimento da influência dos grupos jihadistas no país. Entre as ações estão o assassinato de professores e ataques incendiários a escolas e restaurantes.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 "Não há peso maior que o da culpa pelos seus pecados"
2 "Mais pessoas viram OVNIs que a ressurreição de Jesus"
3 Cassiane e Jairo viajam para evento espiritual na Flórida

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.