Leia também:
X Em conversas por Balotelli, Fla tenta superar entraves

Verstappen deixa Honda perto de renovar com a Red Bull

Boa fase do piloto na Fórmula 1 contribui para andamento de negociações

Arina Paiva - 07/08/2019 11h58

Verstappen deixa Honda perto de renovar com a Red Bull Foto: Pixabay

Não é exagero dizer que as últimas quatro corridas da F-1 se tornaram históricas para a presença da Honda na Fórmula 1.

Tudo começou com a vitória de Max Verstappen no dia 30 de junho, justamente quando o vice-presidente da montadora japonesa, Seiji Kuraishi, tinha viajado até o interior da Áustria para se reunir pessoalmente com a cúpula da Red Bull no circuito que é de propriedade da empresa de energéticos.

Kuraishi nunca viu com bons olhos o alto investimento na Fórmula 1 e estava preocupado, assim como os acionistas, com o andamento das negociações para as novas regras da categoria, que vão estrear em 2021.

Afinal, a Honda apostava em mudanças importantes nos motores para conseguir tirar o que faltava da diferença para as demais fornecedoras, cuja experiência com os V6 turbo híbridos é maior. Com a demora para se encontrar um caminho que agradasse a todos, a revelação que era esperada ficou para trás.

A Honda passou a considerar seriamente deixar a categoria ao final de 2020.

Isso porque, sem uma revolução, a experiência dos rivais continuaria contando a seu favor. Havia também o temor de que o investimento da Honda, que aumentou muito desde que os japoneses perceberam que subestimaram o desafio de voltar à F-1 do zero, jamais seria recuperado com vitórias e títulos.

Mas Max Verstappen venceu o GP da Áustria por puro ritmo. Dentro de um circuito no qual a eficiência do motor em altitude é testada e em uma tarde de muito calor. O que atingiu em cheio os rivais.

A vitória mostrou que o motor Honda tinha, sim, qualidades que os outros não tinham, de eficiência, resfriamento e tamanho.

– Dias como esse vão ajudar, com certeza, pois mostram que o motor está convergindo com os outros mesmo com as regras estáveis – destacou o chefe da Red Bull, Christian Horner, após a vitória da Áustria.

E os tais dias como aquele se repetiram: três semanas depois, na Alemanha, Verstappen ganhou de novo, desta vez na Alemanha. Uma vitória sob chuva e mostrando outro ponto forte do motor Honda: a dirigibilidade.

E, no último final de semana, o holandês esteve próximo de vencer de novo, sendo ultrapassado por Lewis Hamilton nas voltas finais.

Porém mais importante do que isso foi a pole position. Isso porque a grande defasagem da Honda para os rivais vinha sendo o que foi apelidado na F-1 de “modo festa”, ou seja, a configuração mais agressiva do motor, que os pilotos usam por uma volta na classificação. E, na Hungria, Verstappen, de Honda, ganhou na reta das Mercedes para fazer a pole.

Com esses resultados, paira na lembrança dos japoneses o fim do projeto da equipe Honda, em 2008, quando foi gasto um caminhão de dinheiro para o ano seguinte.

Mesmo assim a montadora decidiu sair da categoria. E o carro projetado pela equipe se tornou o Brawn GP, que ganhou o campeonato com folga.

Assim, apesar do contrato ainda não estar fechado, é dada como certa a permanência da Honda na F-1 além de 2020. Algo fundamental para a Red Bull tentar que o próprio Verstappen renove seu contrato, que também acaba no final do ano que vem.

*Folhapress

Leia também1 F1: Hamilton vence e aumenta vantagem após GP da Hungria
2 Youtuber morre após falha em salto de paraquedas
3 Jornalista da Globo se demite após discussão com colega
4 Pan-Americano 2019: Conheça os medalhistas brasileiros
5 50 anos depois, Léo Batista tem carteira assinada por TV

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.