Leia também:
X Santos anuncia retorno de Cuca até o fim do Brasileirão

Ronaldinho fica perto de voltar ao Brasil após decisão

Ministério Público do Paraguai desistiu de novas denúncias e pediu aplicação de multa a ele e seu irmão, Assis

Pleno.News - 07/08/2020 18h05

Ronaldinho fica perto de voltar ao Brasil após decisão no Paraguai Foto: EFE/Nathalia Aguilar

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Roberto de Assis poderão ser liberados para voltar ao Brasil na próxima semana, depois que o Ministério Público do Paraguai decidiu não apresentar novas denúncias contra eles. De acordo com a promotora Alicia Sapriza, a decisão sobre a soltura será tomada pelo juiz Gustavo Amarilla nos próximos dias. O MP entendeu que eles cometeram crime passível de prisão ao entrarem no país com documentos adulterados, mas optaram por pedir à Justiça uma suspensão condicional do processo.

As condições impostas aos brasileiros são o pagamento de multa no valor de 200 mil dólares (cerca de R$ 1,1 milhão) como reparação de danos ao país, que eles se apresentem à Justiça brasileira a cada três meses durante um ano (dois no caso de Assis) e declarem residência fixa onde possam ser encontrados.

Ronaldinho e o irmão estão presos em Assunção desde 6 de março, após entrarem no país com documentos adulterados. Eles permaneceram detidos por um mês na penitenciária Agrupación Especializada, e o ex-jogador virou atração no local ao bater bola com os outros detentos, que lhe ofereceram churrascos.

Em abril, eles foram liberados para o regime de prisão domiciliar. Como não possuem residência na capital paraguaia, se hospedaram em um hotel e se tornaram os únicos hóspedes no local por causa da pandemia da Covid-19.

– O Ministério Público não encontrou nenhum crime de natureza financeira. Nenhum! Reconheceu também que o Ronaldo utilizou o passaporte de boa-fé. Que não tinha conhecimento da adulteração. Assim, o processo será suspenso. E, ao final do prazo, será declarada a absolvição do Ronaldo – afirmou Sergio Queiroz, advogado dos irmãos.

Segundo Saprizia, os dois sabiam que os passaportes eram falsos e isso foi informado ao juiz do caso, mas eles não tiveram participação na confecção ou obtenção dos documentos. Durante os cinco meses também não ficou comprovada a participação deles em outros crimes que estavam sendo investigados no país.

*Folhapress

Leia também1 Santos anuncia retorno de Cuca até o fim do Brasileirão
2 Globo rescinde contrato da Libertadores com a Conmebol
3 Veja os jogadores cristãos que participam do Brasileirão
4 Globo vai à Justiça contra Turner a 2 dias do Brasileirão
5 Marcelinho Carioca elogia Bolsonaro: "Cara maravilhoso"

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.