Leia também:
X Anderson Freire convida médica que o ajudou para gravar louvor

RedeTV! processa Tatá Werneck por piada com finanças do canal

Canal pede R$ 50 mil da atriz como indenização pelo que seriam ofensas à qualidade técnica da emissora

Paulo Moura - 28/12/2020 10h24 | atualizado em 04/01/2021 09h34

Tatá Werneck fez piada com a RedeTV! durante o Prêmio Multishow 2020 Foto: Reprodução

A RedeTV! moveu um processo contra a atriz e humorista Tatá Werneck em razão de uma piada feita por ela durante o Prêmio Multishow 2020. Na época, a humorista afirmou que o vestido escolhido por ela custava “uma grade” da emissora paulista. Por conta da fala, o canal está pedindo uma indenização de R$ 50 mil.

Na ação, os advogados da RedeTV! alegam que Tatá associou a roupa “de forma totalmente descabida ao orçamento e à qualidade técnica” da emissora. O Prêmio Multishow, produzido pelo canal do Grupo Globo, foi exibido entre 11 e 12 de novembro. Tatá é acusada de praticar ato ilícito e por causar danos morais à imagem da RedeTV! com suas piadas

– Gente, não repare, eu vim de moto direto, entendeu? Eu vim assim. Peguei no varal. Tá molhada ainda. Isso aqui é o orçamento de uma grade da RedeTV!. Pelo amor de Deus, gente, não quero que vocês reparem – disse a atriz na ocasião.

Os advogados ainda citam uma possível perseguição de Tatá à emissora e destacam que piadas pejorativas sobre a empresa de Dallevo e Carvalho são recorrentes no repertório da atriz. É citada também a edição de 2018 da Comic Con Experience (CCXP), quando a humorista agradeceu a Deus por não ter integrado o Pânico na TV, em 2010, que era exibido pela RedeTV!.

Para Ricardo Brajterman, advogado da humorista, a RedeTV! “perdeu completamente o senso do ridículo”. Em sua manifestação, o defensor classificou o processo como “descabido” e um ato “desesperado” para conseguir dinheiro.

A visão da RedeTV! é tão obtusa que não conseguiu enxergar que a manifestação da Tatá foi positiva para o canal. Essa ação é um tiro no pé, pois é nítido o interesse de escuso de abocanhar uma indenização indevida, fomentando a “indústria do dano moral” – afirma Brajterman.

Leia também1 Morre mãe de Marcelo Crivella aos 85 anos no Rio de Janeiro
2 Anderson Freire convida médica que o ajudou para gravar louvor
3 Confiança da indústria sobe e atinge maior índice desde 2010
4 Fux exonera funcionário do STF que pediu reserva de vacina
5 Jornalista chinesa é condenada por cobrir a pandemia na China

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.