Leia também:
X Gentili terá que deletar posts gordofóbicos sobre Thais Carla

MPF quer barrar ato do governo contra filme de Danilo Gentili

Ministério Público alega que cena polêmica pode ser considerada repulsiva, mas "não faz apologia ou incitação à pedofilia"

Paulo Moura - 18/03/2022 15h39 | atualizado em 18/03/2022 15h48

Danilo Gentili em Como se Tornar o Pior Aluno da Escola Foto: Reprodução/Filme Como se Tornar o Pior Aluno da Escola

O Ministério Público Federal (MPF) protocolou, nesta sexta-feira (18), uma ação civil pública que tenta suspender os efeitos de um despacho do Ministério da Justiça, publicado na última terça-feira (15). O documento determinou a suspensão da disponibilização, exibição e oferta do filme Como se Tornar o Pior Aluno da Escola, cujo roteiro é do humorista Danilo Gentili.

A decisão da pasta federal foi tomada após o longa ser criticado e acusado de fazer apologia à pedofilia em razão de uma cena em que crianças sofrem assédio sexual de um personagem adulto interpretado pelo ator Fábio Porchat. O despacho emitido pelo Ministério da Justiça prevê ainda multa diária no valor de R$ 50 mil em caso de desrespeito da decisão.

Na ação protocolada pelo MPF, o órgão alega que a cena que motivou a decisão do Ministério da Justiça, em que os dois protagonistas adolescentes são constrangidos por um adulto, pode “ser considerada repulsiva e de extremo mau gosto, mas não faz apologia ou incitação à pedofilia, nem mostra os protagonistas adolescentes em atos de sexo explícito ou mesmo pornográficos”.

– Tendo em vista que a liberdade de criação artística é garantida pela Constituição Federal, a censura a uma obra só pode ser admitida em hipóteses excepcionalíssimas, em que configurado ilícito penal, e somente pelas autoridades competentes, e não diretamente pelo DPDC [Departamento de Proteção e de Defesa do Consumidor] ou pelo Ministério da Justiça – diz trecho do documento.

DESPACHO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA
No despacho publicado no Diário Oficial da União, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, órgão do Ministério da Justiça, argumentou que a suspensão buscava “a necessária proteção à criança e ao adolescente” e previa multa de R$ 50 mil por dia em caso de descumprimento.

A determinação foi aplicada a Netflix, Globo (dona das plataformas Telecine e Globoplay), Google (YouTube), Apple e Amazon. O Grupo Globo, no entanto, afirmou que a decisão administrativa de mandar suspender a disponibilização do filme era “censura” e que, por isso, não poderia ser cumprida.

Leia também1 Guedes sobre guerra: 'Sabemos como agir se crise se aprofundar'
2 Crianças matam garoto de cinco anos na Zona Rural do Pará
3 Daciolo: 'Bolsonaro, Lula e Moro são da Nova Ordem Mundial'
4 André Mendonça é eleito para ministro substituto do TSE
5 Sem avanço por terra, Rússia ataca a distância e atinge civis

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.