Leia também:
X Cantora Manú Paiva se casa com o baixista Andrew Felipe no MT

Morre a atriz Nicette Bruno, por conta de complicações da Covid

Artista ficou quase um mês internada em razão de problemas causados pela doença

Paulo Moura - 20/12/2020 13h30 | atualizado em 21/12/2020 11h51

Nicette Bruno morreu neste domingo por complicações da Covid Foto: Agência Brasil/Tânia Rêgo

Após ficar quase um mês internada, a atriz Nicette Bruno morreu na manhã deste domingo (20), aos 87 anos. Ela estava internada com Covid-19 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro.

De acordo com o boletim médico divulgado no sábado (20), o estado de saúde de Nicette “era considerado muito grave”. Ela estava sedada e dependia de ventilação mecânica para respirar.

A informação da morte foi confirmada pelo hospital por volta das 13h20. Ainda não há informações sobre locais e datas de velório e de enterro da artista.

A TRAJETÓRIA DE NICETTE
Nicette nasceu em Niterói (RJ), no dia 7 de janeiro de 1933. Ainda pequena, aos 4 anos, ela já iniciava a carreira artística em um programa infantil na Rádio Guanabara.

Foi por conta da tradição artística da família, segundo a atriz, que Nicette Xavier Messa, nome de batismo dela, incorporou o sobrenome Bruno, que veio em homenagem à mãe, Eleonor Bruno Xavier, que foi atriz e cantora.

Com cerca de nove anos de idade, a jovem tomou gosto pelo teatro ao ingressar no grupo da Associação Cristã de Moços (ACM).

Foi também a paixão pelo teatro que fez com que, aos 19 anos, Nicette conhecesse Paulo Goulart, com quem compartilhou quase 60 anos de casamento, ao contracenar com o ator na peça “Senhorita Minha Mãe”, em 1952.

Da longa união, que começou em 1954 e só terminou com a morte de Paulo, em 2014, nasceram três filhos que seguiram a carreira dos pais: Paulo Goulart Filho, Bárbara Bruno e Beth Goulart.

Na TV, Nicette iniciou na Tupi, onde fez a primeira adaptação de Sítio do Picapau Amarelo, exibida entre 1952 e 1962. Anos depois, ela estrelaria uma segunda versão da obra de Monteiro Lobato, produzida pela Globo entre 2001 e 2004, como Dona Benta.

Após passar pela Continental e pela Excelsior, Nicette foi para a Globo em 1981, após convite do diretor e ator Fabio Sabag, para fazer parte do elenco do seriado “Obrigado, doutor” como a freira Júlia, auxiliar do protagonista interpretado por Francisco Cuoco.

Na emissora, sua primeira novela foi Sétimo Sentido (1982), de Janete Clair. Na obra, deu vida a Sara Mendes, mãe da paranormal de Regina Duarte.

Ao longo dos anos, ela integrou elencos de novelas como Selva de Pedra (1986), Rainha da Sucata (1990) e Mulheres de areia (1993). Em 1997, interpretou sua primeira vilã em novelas da Globo, a malvada Úrsula, em O amor está no ar.

Em 2020, foi homenageada na versão da Globo de “Éramos seis”, ao interpretar madre Joana, uma freira que, na reta final, encontrava Lola (Gloria Pires), personagem à qual deu vida na [trama] original da TV Tupi.

Leia também1 Nicette Bruno segue na UTI, mas tem piora no quadro de saúde
2 Nicette Bruno "responde bem", mas estado ainda é grave
3 Internada em estado grave com Covid, Nicette Bruno tem piora
4 Onda de Covid-19 nos Estúdios Globo pode paralisar gravações
5 Três atores da Globo continuam internados por conta da Covid

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.