Leia também:
X Maia discorda de Bolsonaro sobre privatizar os Correios

Justiça manda retirar especial do Porta dos Fundos do ar

Determinação é do desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Henrique Gimenes - 08/01/2020 17h56 | atualizado em 08/01/2020 19h31

Desembargador determina que especial de Natal do Porta dos Fundos seja retirado do ar Foto: Reprodução

O desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), determinou que o especial de Natal do Porta dos Fundos seja retirado do ar pela Netflix. A informação foi dada pela coluna de Ancelmo Gois, do jornal O Globo.

A obra, chamada de “A Primeira Tentação de Cristo”, traz a sugestão de uma relação homossexual entre Jesus e Satanás e põe Deus, Maria e José como um triângulo amoroso. O vídeo foi lançado no dia 3 de dezembro na Netflix.

Em sua decisão, o desembargador acatou um pedido feito pela Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura. A solicitação havia sido negada na primeira instância.

Ao determinar a retirada do vídeo do ar, o desembargador afirmou que é “mais adequado e benéfico, não só para a comunidade cristã, mas para a sociedade brasileira, majoritariamente cristã, até que se julgue o mérito do Agravo, recorrer-se à cautela, para acalmar ânimos, pelo que concedo a liminar na forma requerida”.

O magistrado também apontou que “as consequências da divulgação e exibição da ‘produção artística’ (…) são mais passíveis de provocar danos mais graves e irreparáveis do que sua suspensão, até porque o Natal de 2019 já foi comemorado por todos”.

*Atualizada às 19h30

Leia também1 Porchat é criticado ao dizer que com religião se brinca sim
2 Netflix perde 10% dos clientes brasileiros e se preocupa
3 Daciolo profetiza conversão de Porchat e diz que Jesus o ama
4 Veja o que se sabe do ataque à produtora do Porta dos Fundos
5 Ateu, Porchat debocha: "Vou me resolver com Deus"

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.