Leia também:
X Bolsonaro posta foto vendo jogo da Copa América no SBT

Imóveis entram na investigação fiscal de artistas da Globo

Fisco apura se bens adquiridos pelos artistas são compatíveis com ganhos declarados

Paulo Moura - 14/06/2021 08h29 | atualizado em 14/06/2021 10h39

Superintendência da Receita Federal, em Brasília Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Como parte das investigações que já resultaram em multas contra um grupo de artistas, diretores e autores que prestam, ou prestaram, serviços à rede Globo como pessoa jurídica (PJ), a Receita Federal iniciou um novo passo no processo que apura os referidos contratos, com a investigação agora focando em familiares, sócios e até em bens imóveis.

De acordo com o site Notícias da TV, que divulgou as informações, depois de fiscalizar os atores na pessoa física (CPF), a Receita começou a apurar os ganhos na pessoa jurídica (CNPJ). Há casos em que a irmã, a mãe, o tio, a mulher ou marido integram as sociedades, ou seja, as empresas que seriam os atores.

Inicialmente, a Receita fez uma fiscalização na relação de emprego entre ator e emissora. A defesa mantém sob sigilo os nomes de quem já recebeu as notificações de pagamento, mas, na lista de investigados, estão celebridades como Deborah Secco, Reynaldo Gianecchini, Malvino Salvador e Maria Fernanda Cândido.

Nesta nova etapa, a Receita ampliou a fiscalização para os bens adquiridos pelos sócios: atores e familiares. Um dos questionamentos do órgão do governo federal é sobre a diferença do valor declarado do imóvel em relação ao preço de mercado. Essa é uma maneira de identificar se o patrimônio é compatível ao que o dono dele informou que recebeu ou se houve algum tipo de sonegação.

– Inexiste correlação entre a relação de trabalho do ator com a emissora e o patrimônio adquirido. Aqui não há dúvidas de que o serviço foi prestado, não há nada simulado, é tudo público e notório, confirmável via Globoplay. Ademais, por uma (mais uma) distorção do sistema tributário brasileiro, os imóveis adquiridos por todo e qualquer contribuinte não sofrem reavaliação – justifica Leonardo Antonelli, advogado dos atores.

Na lei brasileira não há como atualizar na declaração de Imposto de Renda o preço do imóvel conforme a variação de mercado, a não ser em casos de grandes reformas. Ou seja, se uma pessoa declarou um apartamento de R$ 100 mil em 1995 e não fez mudanças significativas, ele continua valendo R$ 100 mil no IR, apesar dos mais de 500% de inflação no período.

Por conta dessa defasagem, os proprietários de imóveis precisam pagar ao Fisco, no momento da venda, pelo menos 15% de imposto sobre o ganho de capital. O Legislativo tem discutido uma mudança na lei, algo que é defendido pelo advogado tributarista.

Em meio ao imbróglio causado pelos contratos firmados entre a Globo e seus profissionais como PJ, a emissora optou recentemente por firmar o processo contrário e fez acordos de “despejotização”, como é chamado o processo de substituição do modelo PJ para CLT.

Questionada sobre a questão investigada pelo Fisco, a emissora disse que os acordos são legais e que todos os impostos são pagos e que “assim como qualquer empresa, a Globo e as empresas que lhe prestam serviços são passíveis de fiscalizações”.

– Todas as formas de contratação praticadas pela Globo estão dentro da lei, e todos os impostos incidentes são pagos regularmente. Assim como qualquer empresa, a Globo e as empresas que lhe prestam serviços são passíveis de fiscalizações, tendo garantido por lei também o direito de questionar, em sua defesa, possíveis cobranças indevidas do fisco – afirma a emissora.

Leia também1 Bolsonaro posta foto vendo jogo da Copa América no SBT
2 Weintraub sobre apresentadora do JN: 'Lágrimas de Crocodilo'
3 Globoplay anuncia novelas mexicanas de sucesso do SBT
4 Marco Aurélio alerta STF a não interferir em outros poderes
5 Maia será expulso do DEM na próxima segunda, diz colunista

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.