Leia também:
X Pandemia da Covid-19 é tema de novo clipe de Delino Marçal

Com queda das lives, músicos se reinventam mais uma vez

Instrumentistas contam como a quarentena afetou seus trabalhos

Camille Dornelles - 04/08/2020 13h48 | atualizado em 04/08/2020 14h14

Dupla de irmãos Hugo e Marina vive exclusivamente da música Foto: Divulgação

Reinvenção. Essa foi a necessidade de muitos artistas no início da quarentena, sem teatros, sem casas de show, sem festivais, sem festas. A internet se tornou um abrigo para diversas apresentações artísticas que ficaram sem palco.

Os shows live se tornaram a principal via de acesso aos fãs. Agora, a necessidade de reinvenção artística volta. De acordo com registros do Google Trends, a procura pelo termo “live”, um dos mais procurados entre meados de março e meados de maio, tem diminuído gradualmente.

Buscas por shows lives caem no Google Foto: Google Trends

EXPERIÊNCIA DE MÚSICOS
A dupla de músicos Hugo e Marina, do Rio de Janeiro, realiza shows nas varandas e serenatas para poder atingir o público. Eles aproveitam as oportunidades para gravar lives e, com isso, declaram que o público virtual cresceu na pandemia, e esperam que a agenda comece a crescer a partir de 2021, como afirmaram ao Pleno.News.

– Quando a quarentena começou, ficamos presos no Rio de Janeiro sem poder sair da cidade, e decidimos tocar na varanda de casa e transmitir. Os vizinhos foram gostando, filmando, postando, compartilhando nossas lives… Na primeira vez foi muita emoção! Depois ainda fizemos serenata no Dia das Mães e no Dia dos Namorados em estacionamento de condomínio. As pessoas escutavam das sacadas, aplaudiam, pediam música – explicou Marina.

Depois de alguns meses, porém, eles foram para a casa dos pais, na cidade de Campos dos Goytacazes, no interior do estado. Continuam realizando vídeos de lá, mas sentem saudades das apresentações.

– Dá muita saudades dos shows, da energia dos shows, e também é de onde conseguimos nossa maior renda, mas fazer as apresentações nas varandas dá muita motivação para a gente continuar estudando, continuar tocando, se dedicando ao nosso trabalho exclusivo como instrumentistas – afirmou.

https://www.instagram.com/tv/B_–2eTJJTQ/

Fazer as apresentações na varanda dá muita motivação para a gente continuar se dedicando

A violinista Esther Cândida, também do Rio de Janeiro, afirmou ao Pleno.News que sofreu no início com a falta de alunos para suas aulas, mas que tem usado as redes sociais mais do que nunca.

– Eu já tinha meu trabalho no Instagram e YouTube antes da quarentena, mas depois de tudo isso percebi o quanto eu realmente preciso de mais visibilidade, pois me ajudaria a conseguir trabalhos, alunos e eventos. Então tenho tentado investir bastante nisso, pois sei que me dará um retorno bom! – declarou.

View this post on Instagram

E saiu cover duo de violino 🔥🖤🎻 Espero q gostem do q montamos, foi c muito carinho! Clica no link da bio p ver o vídeo completo, e n se esqueça de se inscrever no canal!!! Continuem acompanhando, e veja o trab do @lucastfarias em suas redes sociais. Quem puder marque @hillsongunited nos comentários. Obrigada e aguardem o prox cover 🖤🖤🖤

A post shared by Esther Cândida 🎻 (@notandoela) on

Para ela, os músicos devem investir no digital.

– Postar vídeos como tenho feito. Fazer coisas diferentes com a música, pois sei q chama a atenção, então diria q é isso, ter criatividade e mostrar com a música o que mais ninguém mostra – afirmou.

Percebi o quanto realmente preciso de mais visibilidade

Leia também1 Jovem registra na pele refrão de música de Sarah Farias
2 André Leono lança o álbum Tudo o Que Tenho é Teu
3 Confira os dias e horários das próximas lives do gospel
4 Filme cristão fica entre os 10 mais vistos da Netflix
5 Arthur Callazans fala sobre carreira e parcerias musicais

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.