Leia também:
X A Globo está fazendo um crime, diz Carlos Alberto de Nóbrega

Grupo religioso aciona Netflix na Justiça pelo filme ‘Lindinhas’

Filme é acusado de explorar nudez infantil

Gabriela Doria - 05/10/2020 14h23

Sob acusações de sexualização infantil, Netflix lançou o filme Cuties Foto: Reprodução

A organização religiosa Templo Planeta do Senhor entrou com nova ação contra a Netflix na Justiça pedindo a retirada do filme Lindinhas (Mignonnes) do catálogo. A entidade alegou que a produção cinematográfica exibe nudez infantil.

O processo foi aberto no Foro Central Cível de São Paulo.

O filme de origem francesa mostra a história de uma menina senegalesa de 11 anos que vive com a família na periferia de Paris. A pequena Amy foi criada no conservadorismo da religião muçulmana, mas ela passa a entrar em conflito com suas tradições quando se interessa por um grupo de dança composto por outras quatro meninas de sua idade. As coreografias têm movimentos sensuais e as roupas das meninas são curtas e provocativas.

Para o advogado Anselmo Ferreira Melo Costa, que representa a Templo Planeta do Senhor, as personagens possuem “comportamento totalmente inadequado para sua idade, principalmente com ‘vestimentas’ sensuais, com blusas curtas e insinuantes, calças apertadas, salto alto, ou seja, um figurino totalmente incompatível com crianças daquela faixa etária”.

A ação ajuizada pela entidade pede que, além da suspensão do filme do catálogo, a Netflix também pague indenização por danos morais por disponibilizar o filme para o público.

Leia também1 Justiça nega pedido de censura do filme Lindinhas, da Netflix
2 Zambelli critica colunista da Folha que atacou Damares
3 Governo pede que filme Cuties seja suspenso da Netflix
4 Entenda a polêmica sobre filme Cuties, lançamento da Netflix
5 Governo francês defende o filme Cuties, lançado pela Netflix

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.