Leia também:
X ‘Qualquer um de nós pode ser preso por opinião’, diz Garcia

UFRGS pede destituição de reitor indicado pelo governo Bolsonaro

Conselho Universitário enviou pedido ao Ministério da Educação

Pleno.News - 13/08/2021 21h13 | atualizado em 13/08/2021 21h14

Por 57 votos a sete, o Conselho Universitário (Consun) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) aprovou, nesta sexta-feira (13), pedido de destituição do reitor Carlos Bulhões, indicado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. A posição agora será enviada ao Ministério da Educação (MEC), órgão com competência para destituir Bulhões do cargo.

A base para o pedido do Consun é a reforma administrativa comandada por Bulhões, que excluía e criava pró-reitorias. Segundo o estatuto da UFRGS, esta mudança necessitaria ser aprovada pelo Consun antes de consumada, o que não foi feito por Bulhões, como o Estadão contou no início de agosto.

A criação da Pró-reitoria de Relações Institucionais (Proir) colocou em polos opostos Bulhões e a vice-reitora, Patricia Pranke, que se colocou contrária à mudança sem passar por parecer do Consun.

Mas a relação entre o reitor e a comunidade acadêmica é desgastada desde o final das eleições. A chapa encabeçada por Bulhões foi a menos votada nas eleições, porém, diante de um apoio de deputados como Bibo Nunes (PSL/RS), o nome de Bulhões foi o escolhido pelo MEC.

Agora, o pedido do Consun, é para que a chapa seja destruída, o que atingiria também a vice-reitora. Segundo os conselheiros, isso ocorre para cumprir o estatuto da UFRGS. Porém, caberá ao Ministério decidir se acata o pedido e destitui a chapa, se retira apenas Bulhões ou se mantém a reitoria como está.

Além do pedido, o Consun também vai enviar ao MEC documentos que pedem investigações específicas sobre atos do reitor. A decisão é inédita, já que o Conselho nunca pediu a destituição de um reitor. De acordo com a representante dos técnicos da UFRGS no Consun, Tamyres Figueira, o Conselho tentará pressionar o MEC para que ele acate o pedido da comunidade acadêmica.

Em nota enviada no início do mês sobre o tema, a Reitoria chama a reforma de “modernização administrativa”, argumenta ser “prerrogativa do reitor em exercício” e diz se embasar em análise da Advocacia-Geral da União (AGU) e parecer da Procuradoria-geral da UFRGS. “A medida que causou contrariedade do Consun foi simplesmente a mudança no organograma da universidade”, afirma.

“Desde 1996, ano do último regimento da UFRGS, nenhum dos reitores anteriores ao atual pediu permissão ao Consun antes de realizar alguma alteração. Várias mudanças ocorreram desde lá, sem qualquer contestação. Além de acelerar processos, a medida reduziu o número de cargos vinculados à Reitoria e diminuiu despesas”, afirma o comunicado.

A Reitoria afirma que as mudanças seriam para “para garantir mais eficiência nas ações e economicidade no orçamento da instituição” em um “período de contingenciamento de verbas em função da crise econômica em todo o País”.

*AE

Leia também1 STF: Gilmar libera passaporte, e Crivella pode ir para embaixada
2 Doria promove aglomeração com prefeitos e depois se desculpa
3 Bolsonaro se irritou com a prisão de Roberto Jefferson, diz TV
4 Veja chama Moraes de "muralha" e web ironiza: Muralha da China
5 No Ceará, Bolsonaro é recebido aos gritos de 'mito' por multidão

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.