Leia também:
X Árbitro é espancado até a morte após expulsar jogador de campo

Prefeitura de Buenos Aires proíbe pronome neutro nas escolas

Secretaria de Educação diz que a medida visa combater o mau desempenho escolar

Gabriel Mansur - 14/06/2022 16h49 | atualizado em 14/06/2022 16h52

Pronome neutro está proibido em escolas de Buenos Aires Foto: Reprodução

A prefeitura de Buenos Aires, na Argentina, proibiu o uso da chamada linguagem inclusiva, como o pronome neutro, nas escolas sob sua jurisdição. Assim, certas palavras terminadas com “e”, “@” e “x” estão proibidas.

A decisão, que foi publicada no Boletim Oficial da cidade de Buenos Aires na última sexta (10), determina o seguinte: “Os professores de estabelecimentos de ensino devem desenvolver as atividades de ensinar e realizar comunicações institucionais de acordo com as regras da língua espanhola”.

Entre as considerações para essa decisão, segundo o jornal Clarín, está a determinação da ministra da Educação da cidade, Soledad Acuña, que apresenta relatórios da Real Academia Espanhola e da Academia Argentina de Letras.

– O uso incorreto da língua espanhola faz com que as crianças tenham obstáculos – disse a secretária da Educação da capital, Soledad Acuña, citada pela agência estatal Télam.

As autoridades de Buenos Aires afirmaram ainda que a proibição da linguagem inclusiva faz parte das medidas para responder ao mau desempenho escolar. Mas a decisão foi recebida com críticas, porque, para muitos, a aparente correlação entre resultados ruins e linguagem inclusiva não é clara.

REPERCUSSÃO
Em entrevista ao canal de TV argentino C5N, o ministro da Educação argentino, Jaime Perczyk, disse que não proibirá a linguagem inclusiva em escolas a nível nacional. Ele se contrapôs à decisão de Buenos Aires afirmando que o país tem outras prioridades.

– A Argentina tem 24 províncias e estão focadas em ter livros, mais dias e horas de aulas. Primeiro devemos reafirmar a ideia de que a escola ensina línguas, matemática, mas que também ensina muitas coisas: integrar, amar, ser amado – declarou.

Já a Ministra das Mulheres, Gêneros e Diversidade da Argentina, Eli Gomez Alcotra, se pronunciou por meio do Twitter. Segundo ela, o ambiente escolar deve ser inclusivo e democrático e que “nada de bom se aprende com uma proibição”.

Leia também1 Luciana Genro é contra educação financeira nas escolas
2 Positivo pede correção de livro que ataca conservadorismo
3 PEC propõe cobrar mensalidade em universidades públicas
4 Tradicional dicionário francês adiciona pronome neutro
5 Neutralização de Gênero: Doutor em Letras explica se faz sentido

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.