Leia também:
X Prédio da Ufes separa banheiros por identidade de gênero

PEC propõe cobrar mensalidade em universidades públicas

Proposta deve ser votada na próxima semana na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara

Pleno.News - 25/05/2022 08h05 | atualizado em 25/05/2022 09h12

Universidade de Brasília (UnB) Foto: Agência Brasil/Marcello Casal Jr.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 206/2019, que propõe cobrar mensalidade em universidades públicas, deve ser votada na próxima semana. A ideia é que as instituições usem os recursos captados para dívidas de custeio, como água e luz, e a gratuidade seja mantida só para alunos que não tenham condições socioeconômicas de arcar com os custos.

A PEC está na pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, segundo o relator, o deputado federal Kim Kataguiri (União Brasil-SP). O grupo precisa avaliar a admissibilidade da proposta, ou seja se a PEC não viola as cláusulas pétreas da Constituição.

Caso seja admitida, ela terá mérito analisado por uma comissão especial, que pode alterar a proposta original – com prazo de 40 sessões para votação. Só então vai ao plenário. Por ser uma PEC, a aprovação ainda depende dos votos favoráveis de três quintos dos deputados (308), em dois turnos. Após a aprovação em uma Casa, é enviada para a outra – neste caso, o Senado.

Caso a medida seja aprovada nas duas casas, ela é promulgada na forma de emenda constitucional, mas se houver modificação substancial, ela ainda volta à Casa de origem.

O deputado federal General Peternelli (União Brasil-SP), autor da proposta, justifica a mudança com base no relatório Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil.

O estudo, elaborado pelo Banco Mundial em 2017, diz que o gasto brasileiro com estudantes do ensino superior público é “muito superior” ao de países como a Espanha e a Itália, por exemplo. Para Peternelli, a “maioria dos estudantes dessas universidades acaba sendo oriunda de escolas particulares e poderia pagar a mensalidade”.

– Não seria correto que toda a sociedade financie o estudo de jovens de classes mais altas. A gratuidade generalizada, que não considera a renda, gera distorções gravíssimas, fazendo com que os estudantes ricos – que obviamente tiveram uma formação mais sólida na educação básica – ocupem as vagas disponíveis no vestibular, em detrimento da população mais carente – justifica.

Relator da proposta, o deputado Kim Kataguiri votou a favor da proposta e considera a repercussão da PEC “excelente”. Ele afirmou também que ainda precisa sentir o clima do plenário para saber se o projeto pode avançar mesmo em ano eleitoral. O parlamentar disse acreditar que a cobrança de mensalidade de alguns alunos não seja “retrocesso”.

– Pelo contrário, trata-se de prestigiar a regra geral de igualdade – esta, sim, cláusula pétrea – completou.

*AE

Leia também1 MDB confirma pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência
2 Ex de Karina Bacchi faz desabafo sobre fim do casamento
3 Congresso aprova despacho gratuito de bagagens em voos
4 TSE aprova federação partidária formada por PT, PCdoB e PV
5 "Não tenho vontade de ser mãe", declara Maju Coutinho

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.