Leia também:
X Inscrições para o Enem 2020 começam na próxima segunda

Ensino a Distância: Como será o novo normal?

A educação online tende a continuar crescendo mesmo depois da pandemia do novo coronavírus

Virgínia Martin - 11/05/2020 11h27 | atualizado em 11/05/2020 15h58

 

Pessoas estão mudando hábitos e vivenciando a facilidade do modelo online

O mercado da educação também tem seguido a tendência de formato online. Com a mudança de comportamento da sociedade, provocada pela quarentena e luta contra o novo coronavírus, escolas e universidades precisaram migrar para o ambiente digital com o ensino a distância. Infelizmente, muitas instituições de ensino fecharam.

Segundo a UNESCO, 90% de todos os estudantes do mundo tiveram suas aulas suspensas, o que representa 1,5 bilhão de alunos. O setor educacional passou a buscar alternativas de ensino com o estudo à distância. Esta mudança não se deu unicamente na formação da educação básica ou acadêmica. Cursos de música, culinária, corte e costura, artes, passaram a ser desenvolvidos em plataformas digitais.

Para Wagner Domingues, diretor de Pessoas da EF English Live, o consumidor está encontrando novas formas de realizar suas atividades no conforto de sua casa. É fato de que com o implemento maior da educação à distância, as pessoas estão mudando seus hábitos, redesenhando suas rotinas e vivenciando a facilidade que este modelo pode trazer para sua vida.

– Após a experiência, as pessoas poderão decidir com mais propriedade se querem permanecer aprendendo remotamente, e com certeza, o custo benefício pesará na sua decisão.

Outro fator que deve ser considerado neste formato de ensino é que as escolas podem não mais estar restritas a consumidores que morem naquele determinado bairro ou cidade. O mundo será o campo de ação com estudantes de localidades variadas. O Coursera, por exemplo, teve mais de 500 mil matrículas em um único fim de semana de pessoas de todo o mundo.

Christine acredita que a educação online tem papel agregador ao ensino em sala de aula

Christine Lourenço, coordenadora da Rede Pensi/Eleva Educação, acredita que a educação online tem um enorme papel agregador ao que é feito presencialmente em sala de aula. Segundo sua análise, o atual momento fez com que as escolas se reinventassem e aprimorassem as práticas tecnológicas já implementadas anteriormente. Mas as novas ferramentas aliadas à sala de aula física é que serão extremamente importantes para o desenvolvimento completo dos estudantes.

– No Pensi, buscamos uma metodologia não presencial de múltiplos estímulos para a construção do processo de ensino e aprendizagem dos professores e alunos. Desta forma, optamos por ministrar aulas ao vivo, enviar videoaulas gravadas pelos professores e utilizar a ferramenta do Google Sala de Aula para envio de atividades e interações remotas assíncronas entre o corpo discente e docente.

Novas ferramentas aliadas à sala de aula física serão extremamente importantes para o desenvolvimento completo dos estudantes

Essas e outras experiências de engajamento de alunos com o aprendizado via Internet tem trazido motivos para acreditar que o futuro da educação online é promissor. Mas é preciso considerar que ainda existem questões estruturais e sociais a serem resolvidas, como o fato de que parte da população do país não tem acesso a Internet. Segundo IBGE, quase 30% dos brasileiros vivem nesta condição.

– Acredito que estamos evoluindo e a tecnologia será fundamental nesse desafio e nos ajudará a levar o conhecimento cada vez mais longe, conclui a coordenadora.

Leia também1 O que todo estudante de arquitetura precisa saber
2 Coronavírus: O que significa lockdown e como funciona
3 Mudança na data de eleições deve ser decidida em junho

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.