Leia também:
X FMI avalia que Brasil pode duplicar crescimento em 2020

Venda de veículos este ano já tem alta de 10% sobre 2018

Somente em novembro, o número é 7,81% maior se comparado ao mesmo do período do último ano

Paulo Moura - 04/12/2019 08h02 | atualizado em 04/12/2019 08h06

Venda de veículos aumentou no Brasil Foto: EFE

A venda de veículos novos no Brasil trouxe boas notícias em novembro. De acordo com os números divulgados no último balanço da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a aquisição de automóveis e veículos comerciais leves teve um aumento de 4,38% em novembro deste ano sobre o mesmo período do ano passado. De janeiro a novembro, o índice de vendas totais de veículos novos já cresceu mais de 10% em comparação a 2018.

A razão para otimismo também foi representada pelo número de emplacamento em todos os segmentos somados, que resultou em um crescimento de 7,81% em comparação com novembro de 2018. O presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, mostrou confiança nos números apresentados no penúltimo mês do ano.

– Faltando apenas um mês para o fechamento do ano notamos a estabilidade do mercado. Isso é positivo, pois não houve grandes oscilações durante o ano, o que confirma as nossas expectativas para 2019, que deve crescer 10,76% sobre 2018 – disse.

De janeiro até novembro deste ano, a venda de todos os segmentos já registrou alta de 10,3%, com um número total de 3,6 milhões de veículos novos emplacados. Se for levado em conta apenas a venda de automóveis e veículos comerciais leves, houve alta de 7,21% ao longo dos 11 meses deste ano sobre o mesmo período do ano anterior, com 2,4 milhões de unidades emplacadas.

Leia também1 FMI avalia que Brasil pode duplicar crescimento em 2020
2 Argentina e Brasil discutirão tarifas de Trump em reunião
3 Famílias retomam consumo e alavancam economia do país

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.