Leia também:
X Malafaia: “Acreditei que Lula pudesse resgatar o país”

Simone Tebet: “Previdência deve levar 60 dias no Senado”

Ela é presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Casa

Henrique Gimenes - 15/07/2019 17h02

Simone Tebet, presidente da CCJ do Senado Foto: Reprodução

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), primeiro local de tramitação da reforma da Previdência no Senado, disse nesta segunda-feira (15) que o colegiado precisará de até um mês para votar a PEC (proposta de emenda à Constituição). Para ela, toda a tramitação no Senado deve consumir 60 dias.

O calendário da presidente da CCJ frustra aquele que era previsto pelo Palácio do Planalto, que esperava resolver tudo em 45 dias, prazo que Tebet considerou muito otimista.

– A PEC principal, acredito que 45 dias no Senado é muito otimismo. Mas com 60 dias é um tempo confortável – afirmou.

A Câmara ainda precisa votar o texto em segundo turno, o que deve acontecer no dia 6 de agosto.

– Ela [a PEC] vai chegar na CCJ no dia 7 de agosto, se der tudo certo. Obviamente vai ter requerimento de audiência pública. Não tenho como entregar a reforma em menos de três semanas. Quanto mais se debater na CCJ, mais rápido se aprova em plenário – disse Tebet.

Estes prazos, no entanto, ainda serão negociados com líderes partidários.

Outra questão que está sendo negociada é a inclusão de estados e municípios em uma PEC paralela. A ideia que tem sido discutida pelo relator da reforma no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), é de fazer alterações apenas nesta outra PEC para não ter que devolver à Câmara a PEC principal, caso haja modificações na segunda Casa.

Tebet, no entanto, diz entender que a PEC paralela não deve incluir estados e municípios, mas apenas criar a possibilidade de que prefeitos e governadores conduzam suas próprias reformas previdenciárias.

– Na minha opinião, a PEC paralela tem que ser uma PEC que estabeleça que por lei complementar [estados e municípios] possam fazer suas alterações – disse a senadora.

Para ela, caso a reforma em estados e municípios seja definida no Congresso, o ônus político ficará apenas com os integrantes do Legislativo federal.

– Se votarmos estados e municípios, pergunte se deputados e senadores descem em seus aeroportos – afirmou Tebet.

A PEC paralela só deve começar a ser discutida na CCJ depois que a principal for para plenário.

Ao contrário da Câmara, no Senado não há comissão especial.

A senadora também criticou a estratégia do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de liberar emendas na negociação para aprovar a reforma na Câmara.

– Este é o erro do presidente: deixando de lado o presidencialismo de coalizão, não buscar uma alternativa. Esta falta de alternativa vai custar muito caro para o presidente. Agora é a reforma da Previdência. Depois, a reforma tributária, projetos relevantes que dependem de quorum qualificado. Ele vai negociar desta forma cada projeto que tem dificuldade em aprovar? O que isso tem de diferente do fisiologismo, toma lá-dá cá, da gestão passada? – afirmou a senadora.

*Folhapress

Leia também1 Mourão quer reforma política após aprovação da Previdência
2 "2º turno da Previdência será votado no dia 6 de agosto"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.