CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Caixa lança ferramenta que permite saque digital do FGTS

Risco-país volta a cair e atinge menor patamar em doze anos

Presidente comemorou bom número pelas redes sociais

Paulo Moura - 18/02/2020 13h45 | atualizado em 18/02/2020 13h46

Risco-país atingiu menor patamar dos últimos doze anos Foto: Folhapress/Photo Premium

O índice CDS (Credit Default Swap), popularmente conhecido como risco-país, apresentou nova queda e diminuiu para o menor nível desde agosto de 2008. O índice brasileiro, que chegou a 93 pontos, mede a segurança de investidores estrangeiros para saberem se é seguro ou não injetar recursos em um determinado país. Quanto mais baixo o número é, menor a chance de uma nação dar calote no mercado financeiro em um intervalo de cinco anos.

O indicador vinha com tendência de alta desde os protestos ocorridos em junho de 2013, que iniciaram um período de instabilidade política e recessão econômica no país. Em 2015, o CDS chegou a alcançar o auge de 494 pontos.

Desde que assumiu, o governo do presidente Jair Bolsonaro conseguiu derrubar o índice em mais da metade. No dia 2 de janeiro de 2019, o primeiro após a posse do novo mandatário, o CDS estava em 205,1, valor 54,4% maior que o nível atual.

Pelas redes sociais, o mandatário comemorou o índice e declarou que as expectativas são positivas para campo econômico no ano de 2020.

– A União levantou R$29,5 bilhões em privatizações em janeiro de 2020. O objetivo para o ano é de R$ 150 bilhões. Empregos avançam e o Governo segue desinchando o estado extremamente burocrático. Temos tudo para crescer! – escreveu.

Especialistas econômicos apontaram a agenda de reformas promovidas pelo governo, como a da Previdência, um dos fatores principais para a redução. Além delas, o ambiente de negócios mais propício aos investidores, a inflação sob controle e os juros em queda, também foram escolhidas como as razões para a diminuição do patamar.

Leia também1 Guedes espera melhora da nota de crédito do Brasil
2 Com dados, Bolsonaro mostra que é melhor que Dilma
3 Força-tarefa do INSS deverá contratar 9.500 inativos


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo