Leia também:
X Turismo no país tem prejuízo de R$ 65,6 bilhões na pandemia

Real tem melhor desempenho do mundo com o novo Orçamento

Dólar fechou o dia com a maior baixa desde fevereiro

Pleno.News - 22/04/2021 18h26

Economistas atribuem desempenho à conclusão das decisões sobre o Orçamento de 2021 Foto: Reprodução

Contrariando o clima de cautela observado na Bolsa e no mercado de moedas internacional, o real teve um dia de fortalecimento e o melhor desempenho mundial, considerando uma cesta de 34 moedas mais líquidas. Entrada de capital estrangeiro e desmonte de posições contra a moeda brasileira no mercado futuro explicam a melhora, ressaltam profissionais das mesas de câmbio.

Este movimentos é estimulado pelo fim da novela sobre o Orçamento de 2021, que deve ser sancionado nesta quinta-feira (22) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, com veto parcial, e leva o câmbio a corrigir exageros recentes. Com isso, a divisa dos EUA caiu a R$ 5,44 na mínima do dia.

No fechamento, o dólar à vista encerrou o dia em baixa de 1,73%, a R$ 5,4546, o menor nível desde 24 de fevereiro, enquanto subiu em emergentes como México e África do Sul. No mercado futuro, o dólar para maio cedia 2,09%, cotado em R$ 5,4530 às 17h36.

Apesar do Orçamento ter deixado R$ 125 bilhões em recursos fora do teto e do alerta nesta quinta da agência Moody’s de que isso é negativo para o perfil de crédito para o Brasil, a visão entre participantes do mercado é que o impasse chega ao fim e abre caminho para a agenda de reformas, incluindo as microeconômicas, prosseguir.

– A saga do orçamento parece ter chegado ao fim – afirma o economista para América Latina da consultoria inglesa Pantheon Macroeconomics, Andres Abadia.

Abadia destaca que é preciso agora monitorar os próximos número da pandemia, para ver se mais pressão para gastos públicos virão O economista espera uma atividade econômica mais aquecida na segunda metade do ano, com o avanço da vacinação, mas este cenário também depende da evolução da pandemia, além do cenário fiscal e do ambiente político.

– Os mercados estão monitorando de perto cada movimento para avaliar a determinação do governo de ajustar as contas fiscais – explicou.

Nesse ambiente, abril tem sido marcado pela volta de aportes externos no Brasil e também por maior fluxo comercial, influenciado pela venda da safra agrícola a preços mais altos, destaca um gestor de multimercados. O real, ressalta este profissional, estava muito atrasado em relação a outras moedas e vem recuperando algum terreno. O ambiente de taxas mais comportadas de retornos (yields) dos juros longos americanos também ajuda.

*Estadão

Leia também1 Operação da PF prende homem com R$ 1 mil em cédulas falsas
2 OAB pede a Aras que investigue Bolsonaro por mortes por Covid
3 Alcione toma segunda dose da vacina contra Covid-19
4 Covid-19: Justiça manda governo adotar plano de comunicação
5 "Não estamos sequer pedindo os US$ 20 bilhões que Biden citou"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.