Leia também:
X Previdência poderá ser votada dia 20 de fevereiro na Câmara

Ministro diz que governo terá que cortar despesas em 2018

Segundo Dyogo Oliveira, medida seria adotada para o cumprimento do teto de gastos

Henrique Gimenes - 30/01/2018 16h26 | atualizado em 31/01/2018 12h48

Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, diz que governo terá que contingenciar despesas para cumprir o teto de gastos este ano Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou, nesta terça-feira (30), que o governo terá que realizar um novo contingenciamento do Orçamento para conseguir cumprir o teto de gastos em 2018. A declaração foi dada a jornalistas no Rio de Janeiro.

De acordo com o ministro, as despesas do governo estão aumentando porque medidas para conter gastos não foram aprovadas pelo Congresso. Ele, no entanto, não informou qual será o valor exato do corte.

– Nós teremos que fazer um corte das despesas para adequar ao teto dos gastos porque, principalmente, a questão do reajuste dos servidores e a desoneração da folha impactam o lado da despesa – ressaltou.

O teto de gastos foi instituído em 2017 e impede que as despesas do governo subam mais do que a inflação registrada no ano anterior. A medida terá duração de 20 anos e visa equilibrar as contas públicas.

Dyogo Oliveira também defendeu a Reforma da Previdência. Para ele, não é possível esperar que a medida seja votada depois das eleições, já que “será um momento de transição para um novo governo”. Ele considera que sua aprovação é a única “maneira que existe para resolvermos o problema fiscal brasileiro”.

– Se as reformas não forem feitas logo, esse percentual vai aumentar. E se não forem aprovadas, teremos que pensar em um plano B, com medidas bem mais duras. Mas não é isso que queremos – destacou.

Leia também1 Contas do governo fecham 2017 com deficit de R$ 124 bi
2 Arrecadação do Governo sobe em 2017 e vai a R$ 1,34 trilhão

Siga-nos nas nossas redes!
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.