CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X INSS: Quem ganha menos que o mínimo contribuirá com 8%

Meirelles fala da Previdência e de encontro com evangélicos

Em evento, ministro da Fazenda também disse que é preciso aprovar a reforma para país discutir outros temas

Henrique Gimenes - 27/11/2017 19h31 | atualizado em 28/11/2017 11h30

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quer que país aprove Reforma da Previdência para discutir outros temas Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Após participar de um evento promovido pela Revista Veja em São Paulo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a abordar, nesta segunda-feira (27), a Reforma da Previdência. Para o ministro, é essencial que o Brasil resolva logo o assunto para poder focar em outros temas.

Para começar a valer, a reforma deve ser aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados e mais dois no Senado. Para Meirelles, é importante que a Câmara aprove o texto ainda este ano, para passar uma sinalização aos parlamentes. Segundo o ministro, o Brasil precisa começar a discutir outros tópicos.

– É difícil afirmar que se não passar agora, no começo do próximo ano não passa. Essa é uma avaliação que vai ser feita a cada momento. O ideal é resolver logo esse problema e o Brasil se dedicar a outras discussões – ressaltou.

O ministro da Fazenda voltou a abordar o ponto de que a Reforma da Previdência visa acabar com privilégios de uma parcela da população. Meirelles também rebateu as críticas de que o texto proposto será prejudicial aos mais pobres.

– Quem ganha menos já se aposenta por idade, com 65 anos, porque não tem como comprovar os 35 anos de contribuição. (…) O que se busca é um regime igual para todos e que traga benefícios fiscais para o país – destacou.

Henrique Meirelles ainda falou sobre os pontos da reforma que a equipe econômica não aceita negociar, como a idade mínima, regra de transição para a reforma e a a unificação dos sistemas previdenciários público e privado. O ministro da Fazenda disse que, junto a outras medidas, a aprovação da reforma pode permitir a redução de impostos no futuro.

– Com o teto de gastos e outras reformas será possível simplificar o sistema tributário e depois cortar impostos – afirmou.

ELEIÇÕES

Ao ser indagado sobre reuniões feitas com integrantes da bancada evangélica, Henrique Meirelles afirmou que ele precisa contemplar diversos grupos, não apenas banqueiros e empresários. O ministro da Fazenda também voltou a negar que esteja pensando em se candidatar à Presidência nas eleições do próximo ano. Meirelles afirmou que segue focado na agenda econômica.

– Este é um momento crítico e, por isso, acho que eu tenho que estar 100% com atenção na economia. No final do primeiro trimestre do ano que vem, será um momento de decisão para que se possa ou não postular esse tipo de coisa – disse.

*Atualizada às 21h25

LEIA TAMBÉM
+ INSS: Quem ganha menos que o mínimo contribuirá com 8%
+ Meirelles: Novo texto da Previdência é suficiente