Leia também:
X Telecomunicações é líder de queixas no Procon do Rio

Meirelles diz que governo não pretende aumentar impostos

Ministro da Fazenda também afirmou que sociedade já entende importância da Reforma da Previdência

Henrique Gimenes - 25/01/2018 17h46 | atualizado em 25/01/2018 18h03

Ministro da Fazenda diz que governo não pretende aumentar impostos Foto: World Economic Forum/Mattias Nutt

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, nesta quinta-feira (25), que o governo não pensa em aumentar impostos no momento. Ele declarou também que não há um plano B para a Reforma da Previdência. As declarações foram dadas em entrevista à TV Bloomberg.

Para Henrique Meirelles, que está em Davos, na Suíça, participando do Fórum Econômico Mundial, o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano deve surpreender positivamente devido ao aumento da arrecadação que virá com a melhora na economia. Ele afirmou, porém, que o governo continua focado nas medidas do ajuste fiscal e planeja cumprir a meta fiscal para 2018, um deficit de R$ 159 bilhões, sem aumento de impostos.

– Não estamos considerando elevar impostos agora, estamos avaliando outros tipos de controles das despesas – apontou.

Meirelles ainda disse não ter outra alternativa para o país que não seja a Reforma da Previdência. De acordo com o ministro, a demora na análise pelo Congresso foi um dos motivos para a redução da nota de crédito do Brasil pela agência Standard&Poor’s (S&P). Ele acredita, no entanto, que a sociedade já compreende a importância do tema.

– Se você falar em plano B, dá ideias sobre outras opções. O que é importante para o Brasil é que agora há um melhor entendimento no país e no Congresso sobre a reforma proposta. Está muito claro que é uma proposta justa e que vai beneficiar as pessoas com menor renda – ressaltou.

Leia também1 Dívida pública sobe 14,3% em 2017 e vai a R$ 3,56 trilhões
2 Maia: Projeto da Eletrobras pode ser aprovado até abril

Siga-nos nas nossas redes!
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.