Leia também:
X Morador de rua agredido por personal é levado para abrigo

Justiça manda Havan afastar funcionários não vacinados

Medida vale para funcionários e terceirizados de toda a região do Vale do Paraíba, em São Paulo

Henrique Gimenes - 17/03/2022 15h54 | atualizado em 17/03/2022 16h54

Justiça manda Havan afastar funcionários não vacinados de loja em SP Foto: Divulgação

Nesta semana, a Justiça de São Paulo tomou uma decisão “polêmica” ao determinar que uma unidade da Havan no estado afaste funcionários e terceirizados que não se vacinaram contra a Covid-19. A decisão liminar, datada desta terça-feira (15), foi assinada pela juíza Denise Ferreira Bartolomucci, da 2ª Vara do Trabalho de São José dos Campos (SP).

A medida atende a uma ação apresentada ao Tribunal Regional do Trabalho de São José dos Campos pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Os promotores apontaram que a Havan teria se recusado a afastar funcionários não imunizados.

Em sua decisão, a juíza determinou que a Havan, de propriedade do empresário Luciano Hang, deverá deslocar os funcionários e os prestadores de serviço em toda a região do Vale do Paraíba para o trabalho remoto enquanto eles não iniciarem o esquema de vacinação.

Além disso, a magistrada decidiu que a rede de lojas terá que exigir comprovante de vacina dos funcionários nas lojas da região. Apenas pessoas com justificativa médica poderão deixar de apresentar o imunizante.

Caso a Havan não cumpra a determinação, deverá pagar uma multa diária de R$ 5 mil por cada caso.

Ainda cabe recurso.

Leia também1 Vacina: Pfizer pede autorização de 4ª dose para idosos nos EUA
2 Covid: CEO da Pfizer diz que 4ª dose da vacina será necessária
3 Ex-presidente Barack Obama testa positivo para Covid-19
4 Butantan pede uso da Coronavac em crianças de 3 a 5 anos
5 Menina de 14 anos morre após sofrer parada cardíaca na escola

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.