Leia também:
X Anvisa proíbe venda de lotes da Garoto que possam conter vidro

Ilan Goldfajn é o candidato do Brasil à presidência do BID

Indicação foi confirmada pelo ministro Paulo Guedes

Pleno.News - 24/10/2022 16h18 | atualizado em 24/10/2022 17h37

Ilan Goldfajn Foto: EFE/ Fernando Bizerra Jr.

O Ministério da Economia confirmou a indicação do ex-presidente do Banco Central Ilan Goldfajn como candidato do Brasil ao cargo de presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A indicação foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em nota, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o candidato concilia “ampla e bem-sucedida experiência profissional no setor público, em organismos multilaterais e no setor privado”.

Guedes também destacou a “sólida formação acadêmica” de Ilan, que, segundo ele, o qualificam para o exercício do cargo. O prazo para a candidatura ao posto máximo do BID se encerra em 11 de novembro.

Por e-mail, Goldfajn anunciou a colegas que aceitou a indicação e, para evitar qualquer possível conflito de interesses, tirou uma licença imediata do FMI, não remunerada, até a eleição do novo presidente do BID, marcada para 20 de novembro.

Goldfajn, de 56 anos, é doutor em economia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e mestre pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Ele presidiu o Banco Central do Brasil entre 2016 e 2019 e assumiu o cargo no Fundo Monetário Internacional (FMI) em janeiro deste ano. Ele trabalhou como consultor do próprio FMI nos anos 90 e, entre outras instituições financeiras, foi economista-chefe do Itaú Unibanco.

O BID anunciou a abertura do processo de nomeação de um novo presidente em 28 de setembro. Para ser eleito, um candidato deve obter a maioria dos votos dos países membros, que varia de acordo com o número de ações que cada nação possui no capital ordinário do BID.

Os Estados Unidos, por exemplo, têm o maior poder de voto, 30%, seguidos por Brasil e Argentina, com 11,3% cada um, e México, com 7,2%.

O vencedor, eleito para um mandato de cinco anos (com possibilidade de reeleição), também deve ter o apoio de ao menos 15 dos 28 países da região. A presidência interina vem sendo ocupada pela hondurenha Reina Irene Mejía Chacón desde a saída de Claver-Carone.

*Com informações das agências EFE e AE

Leia também1 Guedes rebate fake de Janones sobre redução do salário mínimo
2 Para Guedes, crescimento do Brasil poderá superar o da China
3 Fotos! Confira quem participou da super live de Bolsonaro
4 The Wall Street Journal critica esquerda e TSE por censura
5 Hang doa R$ 1 milhão para a campanha de Jair Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.