Leia também:
X Substituto do Bolsa Família, Auxílio Brasil será de R$ 300

Horário de verão não economiza energia, aponta estudo do ONS

Estudo foi feito a pedido do Ministério de Minas e Energia diante da pressão de setores da economia

Monique Mello - 18/09/2021 13h03

Horário de verão não acontece desde 2019 Foto: Pixabay

Dois anos após a extinção do horário de verão, um novo estudo realizado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apontou que a volta do horário de verão não terá impacto no enfrentamento da crise hídrica brasileira. Segundo a pesquisa, o pico de consumo não é mais no fim da tarde, como quando a medida era justificada.

A avaliação foi feita a pedido do Ministério de Minas e Energia (MME) diante da pressão crescente de alguns setores da economia e da grave escassez nos reservatórios das usinas hidrelétricas. O tema voltou à pauta após os segmentos do turismo, alimentação e comércio pedirem ao presidente Jair Bolsonaro a retomada do mecanismo, sob argumento de que pode contribuir para a recuperação financeira dessas atividades.

O presidente do ONS, Luiz Carlos Ciocchi, afirmou que o estudo traz uma análise do mecanismo e que não foi feita recomendação pela adoção ou não.

– Em poucas palavras: do ponto de vista energético é neutro. Do ponto de vista de ponta ajuda com o deslocamento da mesma, mas não atenua tanto assim. Sendo assim, para o setor elétrico ajuda pouco, e é claro, não atrapalha. [O efeito] é neutro, não dá pra recomendar, nem rejeitar – disse.

De acordo com ele, a solicitação do Ministério era no sentido de atualizar um estudo feito há dois anos, que foi usado como base para a decisão de Bolsonaro de extinguir o horário de verão. À época, o diagnóstico foi que não havia mais economia de energia tão relevante.

O levantamento apontou que a massificação do uso de aparelhos de ar condicionado mudou o pico de consumo de energia para o início da tarde, que é quando os termômetros marcam temperaturas mais altas. Assim, a economia ao atrasar o pôr-do-sol seria bem pequena. O novo diagnóstico confirma o estudo de dois anos atrás.

O estudo do ONS foi entregue ao Ministério de Minas e Energia, que agora irá analisar os resultados.

 

Leia também1 Para amenizar crise, governo avalia retomar horário de verão
2 Não há data para taxa extra na conta de luz acabar, diz ministro
3 Governo aprova lei e 25 milhões terão conta de luz mais barata
4 Bolsonaro assina decreto que cria estatal de energia nuclear
5 Temos que ter confiança no presidente, afirma Pacheco

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.