Leia também:
X “Contratos de gestões passadas serão reavaliados”, diz Tebet

Haddad não garante salário mínimo de R$ 1.320 em 2023

Ministro atribuiu o entrave a questões do INSS, que teriam comprometido o aumento do "mínimo"

Marcos Melo - 12/01/2023 18h59 | atualizado em 12/01/2023 19h57

Fernando Haddad Foto: Lula Marques/Agência PT

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse, nesta quinta-feira (12), que não tem como garantir o salário mínimo em R$ 1.320 neste ano.

O valor de R$ 1.302 está valendo em razão de uma Medida Provisória do presidente Jair Bolsonaro (PL), em dezembro.

A proposta de orçamento para 2023 previa um aporte de R$ 6,8 bilhões a fim de financiar o reajuste do piso prometido por Lula (PT). Mas, segundo o governo, o valor não foi suficiente para bancar o mínimo em R$ 1.320, valor divulgado pela equipe de transição, após a posse do governo petista.

O ministro da Fazenda atribuiu o entrave a questões orçamentárias do INSS, que teriam comprometido a verba do governo que seria destinada ao aumento salarial do mínimo.

– Esses recursos do orçamento foram consumidos pelo andar da fila do INSS. Porque a partir do início do processo eleitoral, por razões que não tem nada a ver com dignidade, a fila começou a andar – argumentou Haddad.

Ele ressaltou que não há rompimento do pacto de Lula acerca do salário mínimo em R$ 1.320, apesar de estar em vigor o valor fixado por Jair Bolsonaro.

– Não tem pacto rompido, o presidente cumpre sua palavra neste mês e cumprirá em todos os anos. É um compromisso de vida dele. Não posso submeter uma decisão sem os cálculos estarem refeitos – finalizou.

Leia também1 Lula cogita desistir de aumento adicional no salário mínimo
2 BC diz que alta da inflação além da meta foi fenômeno global
3 Lula pede à equipe para trocar palavra 'gasto' por 'investimento'
4 Haddad diz que salário mínimo "será pago normalmente"
5 Durante entrevista, Haddad confunde CVM com CMN

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.