CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Após briga, delegado é achado baleado e namorada morta

Hang se reinventa e Havan passa a vender alimentos

Empresário modificou produtos de suas lojas durante a pandemia de coronavírus

Pleno.News - 20/05/2020 19h35 | atualizado em 20/05/2020 21h43

Luciano Hang, dono da Havan Foto: Reprodução

Além das inúmeras vidas perdidas na pandemia do coronavírus, a economia do Brasil também sofrerá um grande impacto. Com as mudanças, os empresários precisarão pensar em novas soluções. E um desses que já se reinventou foi o empresário Luciano Hang, da rede de lojas Havan. Ele passou incluir produtos alimentícios, como arroz, feijão, macarrão e óleo, na prateleira de suas lojas.

Em suas redes sociais, ele comentou as mudanças que foi preciso fazer no período de crise.

– [Estou] Triste pelo que está acontecendo na saúde, mas a mil por hora, encontrando solução o tempo todo. E tive problemas, como todo mundo está tendo, as dificuldades de fazer as pessoas do poder público entenderem que temos um problema de saúde, e não podemos ter um problema de economia (…) Eu sempre comento que o Brasil é um país comunista. Por que comunista? Porque o poder vem do poder público, quem manda em nós. Nós só trabalhamos para pagar as contas. Mas é um país comunista, o estado acha que manda em tudo – apontou.

A medida, no entanto, gerou ira em setores da sociedade. Um deles foi o youtuber Felipe Neto, que chamou o empresário de “desgraçado”.

– É isso mesmo que você está lendo. O desgraçado [do Hang] decidiu tentar driblar a quarentena colocando arroz e feijão nas lojas – atacou.

Hang, no entanto, não se deixou abater e afirmou que está dentro da lei ao vender produtos alimentícios.

– Driblar? Rapaz sou ruim que só no futebol! kkk Não estou dibrando nada, tudo que estou fazendo está dentro da lei – explicou.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, das 143 lojas Havan presentes no Brasil, apenas 16 delas estão fechadas durante a pandemia de Covid-19. As unidades ficam nos estados de São Paulo, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Pará e Acre.

Alimentos vendidos em unidade da Havan Foto: Reprodução

Leia também1 Guedes diz que pode prorrogar auxílio por 1 ou 2 meses
2 Sem saída, Doria quer 'reunião de paz' com Jair Bolsonaro
3 Zambelli detona Lula e levanta a #LulaTorcePeloVirus
4 Porto Alegre reabre igrejas, shoppings, bares e academias
5 Coronavírus não se espalha com facilidade nas superfícies

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo