Leia também:
X Medicamento contra Covid-19 começa a ser testado no Japão

40 hospitais universitários federais oferecem 6 mil vagas

Oportunidades são para as áreas de Saúde, Engenharia e Arquitetura

Rafael Ramos - 01/04/2020 11h47

Hospital Universitário do Fundão, da UFRJ, é um dos locais com vagas abertas Foto: Reprodução

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), com apoio do Instituto AOC, abriu processo seletivo em caráter emergencial para o combate contra o coronavírus. São 6 mil vagas distribuídas em 40 hospitais universitários federais em todo o Brasil.

As inscrições começaram nesta quarta-feira (1º) e podem ser feitas pelo site oficial da Ebserh. Não há taxa de inscrição e a contratação é temporária por seis meses, mas pode ser estendida por dois anos.

As vagas são para médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeutas, que atuarão na linha de frente de atendimento a pacientes com Covid-19. As oportunidades também são voltadas a engenheiros e arquitetos, que serão responsáveis pelas mudanças nas estruturas das unidades hospitalares para adequação ao atendimento dos pacientes.

Os salários variam entre R$ 3.255,32 e R$ 10.350,45 de acordo com a área e carga horária semanal. Os candidatos devem ser brasileiros ou portugueses e ter pelo menos 18 anos completos na data da contratação. É preciso estar em situação regular na esfera criminal perante a Justiça Federal e Estadual no Brasil e ter aptidão física para o cargo, que será comprovada por meio de exames médicos.

A convocação oficial dos candidatos será feita por meio de publicação no Diário Oficial da União, no site da Ebserh e também por qualquer meio de comunicação.

Leia também1 Medicamento contra Covid-19 começa a ser testado no Japão
2 TRF derruba liminar e libera abertura de igrejas e lotéricas
3 Congresso diminui prazo para aprovar MPs durante Covid-19

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.