Leia também:
X Moraes manda governo explicar extradição de Allan dos Santos

Caminhoneiros querem ‘barrar’ a política de preços da Petrobras

Associação entrou na Justiça contra a política de preços da empresa

Henrique Gimenes - 14/03/2022 21h26 | atualizado em 15/03/2022 10h12

Caminhoneiros vão à Justiça contra a política de preços da Petrobras Foto: Agência Brasil/Valter Campanato

Após a Petrobras decidir aumentar os preços dos combustíveis no país, a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava) decidiu acionar a Justiça contra o reajuste. Na ação, ajuizada sábado (12), no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), a associação pediu a suspensão da Política de Paridade de Preço Internacional (PPI) da empresa.

A PPI foi adotada no governo do ex-presidente Michel Temer e determina que o preço dos combustíveis da Petrobras seja reajustado tendo por base o valor do dólar.

Em nota divulgada à imprensa, o presidente da Abrava, Wallace Landin, disse que a política “deixa toda sociedade refém do mercado internacional”.

– Nosso pedido é pela suspensão da Política de Paridade de Preços Internacional – PPI que deixa toda sociedade refém do mercado internacional pagando pelo barril de petróleo mais de 105 dólares (preço atual) enquanto o custo para a Petrobras de produção é de aproximadamente 20 dólares – apontou.

O reajuste dos combustíveis da Petrobras foi anunciado na quinta-feira (10), após 152 dias sem aumento, de acordo com a empresa. No total, a gasolina teve alta de 18,7%; o diesel de 24,9%; e o gás de cozinha de 16%.

Ainda, segundo a Petrobras, o movimento “vai no mesmo sentido de outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda”.

Leia também1 Petrobras diz que reajuste foi para evitar desabastecimento
2 Presidente Jair Bolsonaro pede a compreensão de caminhoneiros
3 "Petrobras tem função social", diz senador Rodrigo Pacheco
4 Mourão: Presidente da Petrobras é "resiliente e aguenta a pressão"
5 Bolsonaro: 'A gasolina mais barata do mundo é a nossa'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.