Leia também:
X Reforma do IR não deve avançar no Senado, afirma Guedes

Copom eleva taxa de juros para 9,25% ao ano após reunião

Foi o sétimo aumento seguido da Selic definido pelo comitê em 2021

Henrique Gimenes - 08/12/2021 19h14 | atualizado em 09/12/2021 13h33

Copom decide manter a taxa básica de juros em 2% ao ano Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu, nesta quarta-feira (9), elevar a taxa básica de juros do Brasil, a Selic, para 9,25% ao ano (a.a.). É a sétima vez que a instituição decide aumentar a taxa em 2021.

O número anterior era de 7,75% ao ano.

Em sua decisão, o Copom apontou diversos pontos para a alteração:

– No cenário externo, o ambiente se tornou menos favorável. Alguns bancos centrais das principais economias expressaram claramente a necessidade de cautela frente à maior persistência da inflação, tornando as condições financeiras mais desafiadoras para economias emergentes. Além disso, a possibilidade de nova onda da Covid-19 durante o inverno e o aparecimento da variante Ômicron adicionam incerteza quanto ao ritmo de recuperação nas economias centrais;

– Em relação à atividade econômica brasileira, indicadores divulgados desde a última reunião mostram novamente uma evolução moderadamente abaixo da esperada;

– A inflação ao consumidor continua elevada. A alta dos preços foi acima da esperada, tanto nos componentes mais voláteis como também nos itens associados à inflação subjacente;

– As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação;

– As expectativas de inflação para 2021, 2022 e 2023, apuradas pela pesquisa Focus, encontram-se em torno de 10,2%, 5,0% e 3,5%, respectivamente; e

– No cenário básico, com trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus e [a] taxa de câmbio partindo de USD/BRL 5,65* e evoluindo segundo a paridade do poder de compra (PPC), as projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 10,2% para 2021, 4,7% para 2022 e 3,2% para 2023. Esse cenário supõe trajetória de juros que se eleva para 9,25% a.a. neste ano e para 11,75% a.a. durante 2022, terminando o ano em 11,25%, e reduz-se para 8,00% a.a. em 2023. Nesse cenário, as projeções para a inflação de preços administrados são de 16,7% para 2021, 3,8% para 2022 e 5,2% para 2023. Adotam-se bandeira tarifária “escassez hídrica” em dezembro de 2021 e a hipótese de bandeira tarifária “vermelha patamar 2” em dezembro de 2022 e dezembro de 2023.

O comitê ainda ressaltou que, “por um lado, uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento nos preços das commodities internacionais em moeda local produziria trajetória de inflação abaixo do cenário básico”.

– Por outro lado, novos prolongamentos das políticas fiscais de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco do país – completou o Copom.

Além disso, o Comitê disse entender que “essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para as metas ao longo do horizonte relevante, que inclui os anos-calendário de 2022 e 2023. Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego”.

A taxa Selic é utilizada como referência para as taxas de juros de outras instituições financeiras no Brasil e para remuneração de investimentos.

Leia também1 Reforma do IR não deve avançar no Senado, afirma Guedes
2 Guedes: "Privatizar a Petrobras não está na lista no 1º governo"
3 Bolsonaro: "A Anvisa quer fechar o espaço aéreo de novo, p****"
4 Gilmar Mendes desbloqueia bens de ex-secretário de João Doria
5 Bolsonaro diz que pode perder três ministros nas eleições 2022

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.