Leia também:
X Montadoras paralisam produção e dão férias coletivas; saiba mais

China suspende embargo à carne do Brasil, diz ministro

País asiático tinha deixado de importar carne brasileira após detecção de caso de vaca louca

Paulo Moura - 23/03/2023 08h46 | atualizado em 23/03/2023 12h11

Brasil deve retomar exportação de carne para a China Foto: Pixabay

O governo da China decidiu suspender o embargo à importação da carne bovina produzida em território brasileiro. A informação foi divulgada pelo ministro da Agricultura, Carlos Fávaro. No início de março, China, Tailândia, Irã e Jordânia suspenderam as importações de carne de todo o Brasil após ser identificado um caso de vaca louca no Pará.

A decisão dos chineses acontece três dias antes de o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), viajar ao país asiático. Fávaro, por sua vez, já está em território chinês, onde se reuniu com o ministro responsável pelo controle aduaneiro do país asiático, Yu Jianhua.

Até o início da manhã desta quinta-feira (23), a Embaixada da China no Brasil ainda não divulgou a decisão oficialmente. Nas últimas semanas, o governo brasileiro vinha fazendo o envio de informações aos asiáticos sobre o andamento da apuração do caso de vaca louca para retomar a exportação de carne.

A China é atualmente um dos maiores importadores da carne brasileira. Ao longo de 2022, o Brasil exportou, no total, 11,8 bilhões de dólares (R$ 62,1 bilhões) de carne bovina fresca. Dessa quantia, 8 bilhões de dólares (R$ 42,1 bilhões) tiveram a China como destino.

Leia também1 Cinco bebês morrem em UTI após infecção por superbactéria
2 Lewandowski nega recurso do Novo sobre políticos em estatais
3 Lula vai sofrer impeachment e Flávio Dino será preso, diz do Val
4 Plano para matar Moro custou quase R$ 3 milhões ao PCC
5 Após 35 anos, Cléber Machado é mais um dispensado da TV Globo

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.