Leia também:
X Associação rebate Macron após ataque à soja brasileira

Caso Ford reforça necessidade da reforma tributária, diz Maia

Para o presidente da Câmara, redução do número de tributos é um atrativo para competitividade nos países

Pleno.News - 12/01/2021 21h41 | atualizado em 13/01/2021 10h04

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), usou o exemplo do encerramento das atividades da Ford no Brasil para falar sobre a urgência da reforma tributária. Segundo ele, a redução do número de tributos é um atrativo para competitividade nos países.

A decisão da montadora afeta diretamente 5,3 mil empregados, que atuam em três fábricas que serão desativadas.

– Quando decidem sair do Brasil e continuar na Argentina e [no] Uruguai, merece um ponto de interrogação sobre o porquê disso – apontou ele.

E continuou.

– Como um país da importância do Brasil é preterido por dois países importantes, mas que não têm a dinâmica econômica daqui? – questionou Maia.

Para ele, a situação deve lançar luz também no debate sobre os benefícios tributários concedidos pelo governo, juntamente com a reforma.

– Será que benefícios, de fato, geram emprego no Brasil? – indagou.

AUXÍLIO
Maia voltou a falar sobre o auxílio emergencial, concedido pelo governo durante a pandemia.

– É um debate que vamos ter de abrir, mas sempre sabendo que o teto de gastos está no limite e que, para ampliar Bolsa Família, vamos ter de fazer uma escolha sobre onde arrumar espaço (fiscal) – disse ele.

*Estadão

Leia também1 Bolsonaro sobre Ford: 'Perdeu para a concorrência, lamento'
2 Chefe da Secom rebate Maia sobre saída da Ford do Brasil
3 Governo lamenta decisão da Ford de encerrar a produção
4 Maia "culpa" o governo por fechamento da Ford no Brasil
5 Ford anuncia fim da produção no Brasil e fechará 3 fábricas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.