Leia também:
X “Espero que a Petrobras siga a queda do petróleo lá fora”

“Brasil está preparado para qualquer guerra”, diz Guedes

De acordo com o ministro, protocolo para acionar a calamidade está pronto desde o ano passado

Pleno.News - 15/03/2022 17h58 | atualizado em 15/03/2022 18h25

Paulo Guedes, ministro da Economia Foto: EDU ANDRADE/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (15) que o governo está preparado “para qualquer guerra”. Ele lembrou que o protocolo para acionar a calamidade e não precisar cumprir as regras fiscais – como ocorreu na pandemia – está pronto desde a aprovação da PEC Emergencial no ano passado.

– Estamos preparados e vamos agir como agimos na pandemia. Temos protocolo de guerra preparado. Temos o botão de emergência, temos exceção ao teto de gastos se for preciso. Estamos preparados para qualquer guerra – enfatizou o ministro, em cerimônia no Palácio do Planalto.

Após a aprovação do PLP 11 na semana passada, Guedes voltou a dizer que a nova legislação sobre a tributação de combustíveis levará a uma redução de R$ 0,60 nos preços nas bombas, com impacto de R$ 0,27 os estados e de R$ 0,33 para a União.

– O barril de petróleo foi a US$ 130 e conseguimos atenuar em dois terços o primeiro impacto. O impacto em combustíveis seria de R$ 0,90, mas absorvemos R$ 0,60. Ou seja, apenas um terço do impacto da alta do petróleo chegou aos consumidores – alegou.

– Os impostos estavam em cascata nos combustíveis, era um absurdo O governo não pode ter resultado em cima da desgraça do povo. Não tem sentido comemorar aumento da arrecadação com alta do petróleo. Estamos abrindo mão de receitas, estamos reduzindo IPI, PIS/Cofins e ICMS – completou.

O ministro afirmou também que a economia brasileira já se recuperou e está mais forte inclusive do que a maioria dos países desenvolvidos.

– Somos uma geração que paga suas guerras, não estamos hipotecando o futuro dos nossos netos e bisnetos. O deficit já está zerado. Estamos fortes para outra briga, se vier guerra mundial estamos prontos. Somos firmes, somos duros na queda, temos planos – acrescentou.

– Os ministros estão todos trabalhando juntos pelos mesmos objetivos. Teremos R$ 1,1 trilhão de planos de investimentos contratados até o fim deste ano. O Brasil está condenado a crescer – concluiu.

*AE

Leia também1 Tereza Cristina e Guedes fazem "previsões", caso a guerra piore
2 Dinheiro esquecido: 13,8 milhões de pessoas têm R$ 1 ou menos
3 AGU nega omissão de Bolsonaro sobre alta dos combustíveis
4 Moro diz a Nando Moura: "Votar em Bolsonaro é eleger o Lula"
5 Bolsonaro: "Não tomamos decisões pensando em eleições"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.