Leia também:
X Flávio Bolsonaro afirma que irá depor ao Ministério Público

Bolsonaro não irá vetar acordo entre Boeing e Embraer

Em nota, governo afirmou que presidente foi informado "que a proposta final preserva a soberania e os interesses nacionais"

Henrique Gimenes - 10/01/2019 19h52

Governo não irá vetar acordo entre Boeing e Embraer Foto: Sgt.Batista/ Agência Força Aérea Brasileira

O governo federal informou, nesta quinta-feira (10), que não irá vetar o acordo entre a empresa americana Boeing e a brasileira Embraer. As duas companhias irão criar uma joint venture na área de aviação comercial.

Em nota, o Palácio do Planalto afirmou que o presidente Jair Bolsonaro foi informado sobre a proposta e que ela “preserva a soberania e os interesses nacionais”. O governo possui uma golden share (ação especial) na Embraer e poderia vetar o acordo.

A criação da joint venture foi anunciada pela Boeing e pela Embraer em dezembro. Pelos termos do acordo, a empresa americana iria possuir 80% do negócio e a brasileira 20%

Veja a nota completa.

NOTA À IMPRENSA

Em reunião realizada hoje com o Exmo. Sr. Presidente Jair Bolsonaro, com os Ministros da Defesa, do GSI, das Relações Exteriores, da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações; e representantes do Ministério da Economia e dos Comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica foram apresentados os termos das tratativas entre EMBRAER (privatizada desde 1994) e BOEING.

O Presidente foi informado de que foram avaliados minuciosamente os diversos cenários, e que a proposta final preserva a soberania e os interesses nacionais.

Diante disso, não será exercido o poder de veto (Golden Share) ao negócio.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

Leia também1 Jair Bolsonaro irá assinar MP contra fraudes na Previdência
2 Saiba o que é o modelo de capitalização da Previdência

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.