Leia também:
X Ministro Paulo Guedes volta a falar em privatizar a Petrobras

Bolsonaro diz que privatização da Petrobras “entrou no radar”

Presidente avaliará a possibilidade com a equipe econômica

Thamirys Andrade - 25/10/2021 16h24 | atualizado em 25/10/2021 17h18

Presidente Jair Bolsonaro sério
Presidente Jair Bolsonaro Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (25) que a privatização da Petrobras “entrou no radar” do governo, após os sucessíveis aumentos dos combustíveis. O chefe do Executivo ressaltou, porém, que esse é um processo delicado e demorado.

– Isso entrou no nosso radar. Mas privatizar qualquer empresa não é como alguns pensam, que é pegar a empresa botar na prateleira, e, amanhã, quem der mais leva embora. É uma complicação enorme. Ainda mais quando se fala em combustível. Se você tirar do monopólio do Estado, que existe, e botar no monopólio de uma pessoa particular, fica a mesma coisa ou talvez até pior – declarou Bolsonaro, em entrevista à rádio Caçula, do Mato Grosso do Sul.

Neste mês, Bolsonaro já havia expressado ter “vontade” de privatizar a Petrobras e afirmado que está avaliando a possibilidade com a sua equipe econômica. O tema já era um dos projetos do ministro Paulo Guedes, mas o presidente se opôs anteriormente por achar que a empresa tem papel “estratégico” para os interesses nacionais do Brasil.

Ainda que tenha o apoio de Bolsonaro, a privatização da Petrobras necessitaria que o Congresso alterasse a legislação para que a privatização se concretizasse.

Leia também1 Zema vai congelar o ICMS para segurar preço do óleo diesel
2 Randolfe chama Bolsonaro de 'delinquente' e diz que irá ao STF
3 Câmara do RJ arquiva projeto de Carlos B. contra trans no esporte
4 PSOL protocola notícia-crime contra live de Bolsonaro
5 Lira diz que Bolsonaro 'vai pagar' se falar sem base científica

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.