Leia também:
X Luciano Hang critica PL que pede “licença-menstruação”

Bolsonaro critica contrato de auditoria feita no BNDES

Para o presidente, há alguma "coisa esquisita" em um termo aditivo do acordo

Pleno.News - 28/01/2020 14h26

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Presidência da República/Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta terça-feira (28) um termo aditivo de contrato para realização de uma auditoria no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) que não encontrou indícios de corrupção. Segundo o presidente, houve um erro.

– Informações que tenho até o momento: essa auditoria começou no governo Temer. E teve dois aditivos. O último aditivo parece, não tenho certeza, seria na ordem de R$ 2 milhões. E chegou a R$ 48 milhões no final. Tá errado, tá errado – disse ao entrar no Palácio da Alvorada.

O BNDES gastou R$ 48 milhões em relatório de investigação externa referente a operações entre o banco e as empresas JBS, Bertin e Eldorado, entre os anos de 2005 a 2018. A auditoria não encontrou indícios de corrupção em oito operações investigadas.

O banco divulgou em 10 de dezembro que o relatório indicou que não foram encontradas evidências diretas de corrupção, influência indevida sobre a instituição ou pressão por tratamento diferenciado na negociação, aprovação e/ou execução das oito operações investigadas.

Na ocasião, o BNDES divulgou que entregou a íntegra da auditoria, que não é pública, para a Procuradoria-Geral da República. O resumo do relatório foi disponibilizado no site do banco e tem oito páginas.

– Tem coisa esquisita aí. Parece que alguém quis raspar o tacho. Não sei se vou ter tempo para estar com Paulo Guedes hoje, parece que ele está em Brasília. É o garoto lá [Gustavo Montezano, presidente do banco], foi o garoto, porque, conheço por coincidência desde pequeno, o presidente do BNDES é um jovem bem intencionado. E ele que passou as informações disso que falei para vocês agora que são os aditivos. A ordem é não passar a mão na cabeça de ninguém. Expõe logo o negócio e resolve – afirmou, não deixando claro se considera a medida um erro do presidente do banco.

Gustavo Montezano é o segundo presidente do BNDES da gestão Bolsonaro. Ele foi chamado após o presidente ter se irritado com a gestão de Joaquim Levy, escolhido pelo ministro Paulo Guedes (Economia) para o cargo logo no período de transição.

A “abertura da caixa-preta” do BNDES é uma das principais promessas do então candidato Jair Bolsonaro na área de economia durante a eleição. O político costuma apontar problemas em empréstimos do banco para países como Cuba e Venezuela. O presidente havia prometido, inclusive, “abrir a caixa-preta” do BNDES na primeira semana de governo.

Montezano já havia dito em reunião da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Câmara dos Deputados, em agosto do ano passado, que a instituição havia gasto até então R$ 45 milhões com a investigação sobre os contratos assinados pelo banco coma JBS em anos passados -o valor de R$ 48 milhões é atualizado.

A investigação foi iniciada em 2018, promovida pelo escritório Cleary Gottlieb Hamilton & Steen LLP, e buscava apurar evidências de suborno, corrupção ou influência indevida nas atividades do BNDES.

Quando assumiu o banco, em julho do ano passado, Montezano prometeu “explicar a caixa-preta do BNDES para a população brasileira”. Ele entrou no lugar de Joaquim Levy, que pediu demissão no mês anterior, após não conseguir abrir a caixa-preta da instituição, promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro.

*Folhapress

Leia também1 Bolsonaro: "O tempo todo tem alguém beliscando Ministério"
2 Bolsonaro levanta suspeita de sabotagem no Enem
3 Bolsonaro demitirá secretário que usou avião da Força Aérea

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.